Análise de vídeo mostrará autor de disparo, acredita delegado

Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) recuperaram nesta sexta-feira parte dos arquivos perdidos dos dois computadores entregues à polícia com imagens das 32 câmeras de vigilância da Universidade Estácio de Sá. No entanto, a recuperação total dos dez minutos de gravação que mostram o momento em que a estudante Luciana Gonçalves de Novaes, de 19 anos, foi baleada, no dia 5, só será possível quando os dois discos rígidos forem completamente analisados.?Nós estamos recuperando as imagens das câmeras 10 e 12 que focalizam o momento do crime. Acreditamos que, quando essas imagens forem recuperadas, vamos identificar imediatamente o autor do disparo?, afirmou o subchefe de Polícia Civil, José Renato Torres.Ele disse que a polícia procura também as imagens das câmeras 1 e 14, que monitoram, respectivamente, o acesso e a sala de controle do sistema de vigilância, local onde foi feita a cópia entregue à polícia. Essas imagens, disse ele, ?vão mostrar quem adulterou e quem esteve na sala?.Cinco pessoas foram chamadas nesta sexta-feira à tarde para depor na Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), que investiga o caso. Entre elas estava o faxineiro Jonson Vágner Fonseca, captado por uma das câmeras perto do local onde Luciana foi baleada. Segundo a polícia, ele disse que ouviu muitos tiros, mas não soube precisar de onde vieram.Nas primeiras análises das imagens, Fonseca, que carregava vassouras, chegou a ser confundido com um traficante armado. Os outros convocados para depor são Renato Ferreira da Silva e Valdemar Novo, ambos da Vigban, empresa responsável pela segurança do câmpus e operação das câmeras.Também estiveram na DRE Carlos Ferreira Duarte, gerente de tecnologia da TeleSegurança, que aluga e faz a manutenção do equipamento, e seu auxiliar, identificado apenas como Júlio César. Segundo a polícia, todos estavam na sala de controle de câmeras da universidade no dia do crime. Silva seria o operador de plantão e teria chamado os outros três assim que a notícia dos tiros se confirmou.Duarte e Silva já haviam prestado depoimento antes e foram reconvocados. A polícia espera que eles esclareçam quem adulterou as imagens.Luciana sofre terceira cirurgia em 8 diasLuciana foi submetida nesta sexta-feira à terceira cirurgia em oito dias, desta vez para fixação anterior da coluna e do corpo vertebral C3 (a terceira vértebra, atingida por um tiro). A operação começou às 10 horas e estava prevista para durar oito ou nove horas.Segundo boletim do Pró-Cardíaco, assinado pelo médico José Augusto Nasser, ela respira por aparelhos, e a cirurgia foi realizada em função de uma ressonância magnética feita nesta sexta-feira mesmo. Na primeira cirurgia, fez-se a fixação posterior da coluna, e, na segunda, a recomposição da mandíbula.A Universidade Estácio de Sá divulgou uma nota na qual afirma não ter ?a menor experiência em investigações criminais? e ter entregue o caso à polícia, ?esperando que afinal os culpados, sejam quem forem, acabem descobertos e entregues à Justiça?.O diretor da universidade Cláudio Starec recusou-se a fazer comentários sobre o assunto, inclusive sobre a acusação de que a universidade teria alterado as fitas de vídeo em que o momento do crime teria sido registrado. ?Só falaremos quando terminar o inquérito policial?, afirmou Starec.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.