Análise: Igreja começa a olhar o mundo sem focar na doutrina

Até este Sínodo sobre a família, o objetivo básico das reflexões do Vaticano sobre o tema era deixar claro quais eram os valores que deviam ser preservados na família. Basicamente, o amor gratuito e o dom de si ao outro, em oposição ao individualismo e ao utilitarismo dominantes na sociedade.

Francisco B. Ribeiro Neto , O Estado de S. Paulo

13 Outubro 2014 | 22h55

O rigor normativo, que agrada a poucos e entristece muitos, era justificado por sua função pedagógica. Normas claras, valores precisos - e a interpretação e aplicação dos preceitos bíblicos fundamentais - se orientavam nesse sentido.

Agora, percebe-se que esse enfoque não está adequado. Uma excessiva preocupação doutrinal ofuscou os próprios valores que se buscava preservar. O novo enfoque se preocupa mais em demonstrar do que em justificar esses valores. Com isso, a Igreja obriga-se a olhar o mundo a partir desse amor, perguntando-se se ele chega às pessoas e como se manifesta em suas relações. Não se nega os valores, o relatório é claro nisso, mas se muda o enfoque de sua aplicação. A proposta não é tão nova assim, mas o caminho é longo e delicado, exige coragem e abertura para o novo, respeito e valorização da tradição. A Igreja sempre avança por sínteses entre o velho e o novo. Parece que o momento é adequado para uma nova síntese com relação à família. 

* É COORDENADOR DO NÚCLEO FÉ E CULTURA (PUC-SP)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.