Bruno Zanardo/SECOM AM
Bruno Zanardo/SECOM AM

Análise: política de guerra às drogas e cultura de punição explicam alta

A população presa no País ter aumentado oito vezes em menos de 30 anos é resultado de opção política

Valdirene Daumfemback, *

09 Dezembro 2017 | 03h00

A população presa no País ter aumentado oito vezes em menos de 30 anos é resultado de opção política. Alguns fatores são decisivos para isso. Um deles é a política de guerra às drogas que, de modo equivocado, aborda uma questão de saúde como de segurança pública. Por isso, nem boas intenções como a descriminalização do usuário, em 2006, diminuem o total de presos. Ao contrário, como a lei também aumentou a pena para o crime de tráfico, agora os usuários são considerados traficantes e ficam mais tempo presos.

+++ Brasil tem de dobrar vagas para zerar déficit em presídios

Outro problema é o foco quase exclusivo das políticas de segurança pública na repressão. Prevenção, construção de redes de proteção, controle dos fatores de violência e enfrentamento do medo são práticas que não estão no repertório das políticas atuais. Também influenciam o sistema de Justiça e uma sociedade impregnados da cultura punitivista que iguala a noção de justiça à prisão, reforça a ideia de inimigos e sujeitos indignos de direitos, com características de classe, raça e idade muito marcadas. 

+++ Repasses federais não ampliam vagas em presídios

*VALDIRENE DAUMFEMBACK É PESQUISADORA DA UNB E EX-DIRETORA DO DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL (DEPEN) DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

+++ Maioria dos presos é jovem, negra e de baixa escolaridade

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.