Analista de sistemas e corretor mortos após roubo em SP

Dois homens foram mortos após serem vítimas de assalto na zona Leste da capital paulista. O analista de sistemas Marcos Tamio Saito, de 41 anos, e a mulher, Cilene Ota, de 34 anos, tinham acabado de chegar a casa do corretor de imóveis Mário Ota, de 63 anos, pai de Cilene, na Rua José Ramazini, 91, em Itaquera, zona leste. Eram 19h de ontem; o casal estava num carro Astra Preto, de Cilene, que entrou na residência enquanto Marcos e o sogro ficaram do lado de fora da casa. Segundos depois ela ouviu o barulho de vários disparos de arma de fogo. Quando saiu viu percebeu que o carro havia sido levado e que o pai e o marido estavam baleados. Policiais militares da 5ª Companhia do 2º Batalhão levaram o corretor de imóveis para o Pronto-socorro do Hospital Planalto. Vizinhos ajudaram na remoção e levaram o analista de sistemas para o mesmo hospital. Mário e Marcos não resistiram e morreram. Cilene não conseguiu ver quantos homens realizaram o roubo. O caso foi registrado como latrocínio(roubo seguido de morte) no 64º Distrito Policial, em Cidade A.E. Carvalho.ParentescoDe acordo com os policiais civis, o sogro de Cilene, Mário Ota, é primo do empresário Massakata Ota, que teve o filho Ives Ota, de 8 anos, sequestrado e morto em agosto de 1997. O caso chocou o país. Massakata, a partir de então, começou a liderar movimentos contra a violência e a impunidade.SeqüestroNo dia 16 de janeiro de 2003, outro integrante da família Ota, o empresário Milton Hatsumi Takushi, de 35 anos, primo do garoto Ives Ota, foi libertado de um cativeiro no bairro de Parada XV de Novembro, na zona Leste. Ele ficou três dias em cativeiro e foi abordado quando estava num bar com amigos em Itaquera, zona Leste de São Paulo. Milton foi libertado por policiais militares depois de denúncia anônima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.