Analista vira herói ao salvar mãe e filho no rio Pinheiros

O analista de sistemas Adriano Levandoski de Miranda, completou o 27º aniversário com um presente especial. Ele ganhou o título de herói no sábado, 9, ao salvar uma mãe que se atirou no rio Pinheiros, na zona sul de São Paulo, de uma ponte com altura superior a 20 metros (quatro andares) com uma criança de três anos no colo. Ao ver a mulher despencando, ele correu para a margem e pulou no rio tirando a criança dos braços da mãe que afundava.Miranda atravessava a pé a Ponte João Dias, quando viu Janaína Barbosa de Souza, 26 anos, e o filho Rafael Souza Santana, despencando do parapeito da passarela. Dois outros rapazes também assistiram a cena. Enquanto um deles chamava socorro, o analista pegou uma motocicleta de um curioso que parou para ver o que acontecia e trafegou na contramão até a margem do rio.Sem pensar no risco que corria, Miranda escorregou pelo barranco abaixo e pulou na água de roupa e sapatos. Devido ao entulho do rio, conseguiu caminhar uns dois metros e meio dentro da água até alcançar a criança nos braços da mãe. ´Eu o vi desfalecido nos braços da mãe, mas assim que o peguei, ele agarrou forte no meu braço. Senti então que ele estava vivo´, disse o analista.A segunda etapa difícil foi escalar o barranco íngreme com mais de um metro e meio com a criança nos braços. ´Arranhei a canela, mas a satisfação e o alívio foram enormes, quando eu deitei ele no chão e ele começou a vomitar a água suja. Perguntei se ele estava bem, ele acenou que sim, com a cabecinha.´Outros dois rapazes ajudaram Janaína a sair da água. Menos de cinco minutos depois, mãe e filho foram socorridos por policiais do Resgate e levados para o Hospital Regional Sul, onde ficaram internados em observação.Janaína sofreu uma lesão superficial na coluna, mas não deverá ficar com seqüelas. Ela foi autuada em flagrante por tentar matar o próprio filho. Responderá por tentativa de homicídio doloso qualificado. Interrogada pelo delegado Avelino Jorge da Costa Júnior, disse que tentou se matar porque não conseguia aceitar o fim de sua relação com Fábio Santana, pai de Rafael, que teria iniciado há um mês namoro com uma amiga sua.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.