Anastasia aproxima Minas do Planalto

Tucano demonstra ter mais prestígio junto ao governo petista que seu antecessor

Marcelo Portela, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2011 | 00h00

BELO HORIZONTE

Os 100 primeiros dias de governo do tucano Antonio Anastasia em Minas foram marcados por uma similaridade muito grande com seu antecessor, o atual senador Aécio Neves (PSDB). E não é só a legenda. Apesar de ser oposição ao governo federal, o atual chefe do Executivo mineiro vem mantendo uma ótima relação com a presidente Dilma Rousseff (PT), assim como Aécio se relacionou bem com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos mandatos de ambos.

Mas Anastasia esbanja prestígio junto ao governo petista - até mais que seu antecessor. Após assumir o cargo como governador eleito - já havia comandado o Estado como vice de Aécio após a renúncia do colega e padrinho político -, o tucano foi o primeiro governador a ser recebido em Brasília por Dilma, com quem já se encontrou outras três vezes, duas delas em visitas da presidente a Minas.

Uma das visitas foi no anúncio da construção de uma usina de amônia da Petrobrás e de um gasoduto do Estado (ligando Minas a São Paulo) em Uberaba, no Triângulo Mineiro, no início de março. A outra visita presidencial ocorreu menos de duas semanas depois, quando Dilma escolheu Belo Horizonte para o lançamento do Rede Cegonha, uma das principais bandeiras de sua campanha. É possível que Dilma volte a Minas no dia 21, quando será homenageada em Ouro Preto pelo governo estadual com a Medalha da Inconfidência.

Nesses 100 dias de governo, Anastasia recebeu em audiências oficiais, além da presidente, cinco ministros do governo petista: José Eduardo Cardozo (Justiça), Orlando Silva (Esporte), Fernando Bezerra (Integração Nacional), Ideli Salvatti (Pesca) e Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior). Mas o governador minimiza o prestígio e atribui a atenção a Minas pelo fato de Dilma ter nascido no Estado.

"Há dedicação especial da presidente porque é o Estado natal dela", disse Anastasia ao Estado. "E o reconhecimento ao esforço para a qualidade da saúde", emendou, referindo-se à escolha de Minas para o lançamento do programa destinado à saúde de gestantes e crianças.

A oposição critica a aproximação do tucano com o governo federal. "O Estado precisa dos recursos da União", observa um dos deputados do bloco de oposição na Assembleia Legislativa, formado por PT, PMDB, PCdoB e PRB. "Manter a aparência de que está tudo bem e funcionando é essencial para o projeto deles (tucanos) de lançar o Aécio (Neves) para presidente."

A troca de afagos com o governo federal incomoda a oposição. Já no início da gestão, um o governador alterou a estrutura da administração pública, com a criação de 3 secretarias, 11 subsecretarias e 3 secretarias extraordinárias, além de 1.314 cargos comissionados até 2014. Para a oposição, as medidas aumentam em R$ 3,1 milhões por ano a despesa com pessoal. Cálculo que o governo não admite.

"O que marca os 100 dias de governo é subjetivo. O que nos caracteriza mais é a fidelidade ao programa de governo nos programas sociais que estamos lançando e a geração de empregos. Vai ser a marca de todo meu governo", afirma Anastasia ao fazer um balanço dos primeiros 100 dias de sua administração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.