Andinho assiste a depoimento de testemunhas de acusação

O seqüestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, acompanhou nesta quinta-feira à tarde, no Fórum de Campinas, o depoimento de quatro testemunhas de acusação do processo sobre o seqüestro de uma mulher de 62 anos, em junho de2001. Andinho e sua quadrilha são acusados do crime. Na próxima semana, ele participa de pelo menos outras seis audiências de diferentes processos, todos sobre seqüestros.Andinho é suspeito de 19 seqüestros ocorridos na região de Campinas, dos quais 12 casos já tramitam na Justiça. Um dos processos, com audiência marcada para o início da próxima semana, refere-se a uma entrevista do seqüestrador a uma emissora localde televisão, em que ele acusou policiais da Delegacia Anti-Seqüestros (Deas) de Campinas de colaborarem com sua quadrilha.A entrevista ocorreu logo depois de a Deas afastar dois investigadores, Eudes Trevisan e Rogério Diniz, flagrados em conversas telefônicas com Andinho, tratando de detalhes de umseqüestro. Os dois policiais civis estão presos há um ano em São Paulo e deverão ser chamados para acompanhar os depoimentos da audiência da próxima semana.O seqüestrador chegou ao Complexo Penitenciário deHortolândia nesta quarta-feira, vindo do presídio de segurança máxima Presidente Bernardes, onde está detido desde o ano passado. Naaudiência desta quinta, foram ouvidas quatro testemunhas de acusação, inclusive a vítima, que permaneceu um dia em cativeiro e foi liberada após o pagamento de resgate.Ela não reconheceu Andinho. Mas, segundo um policial que atuou no caso, o modo deoperação da quadrilha que seqüestrou a mulher é o mesmo do bando do acusado.Depois de depor, Andinho voltou ao ComplexoPenitenciário. A polícia não informou se ele permaneceria em Hortolândia ou seria levado de volta a Presidente Bernardes no final de semana. A Justiça também não informou onde ocorrerão asaudiências da próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.