Andinho é acusado por autoria de mais um sequestro

O seqüestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, foi acusado de mais um seqüestro cometido em Campinas. Essa é a quinta denúncia feita pelo Ministério Público da cidade. Ao todo, ele foi denunciado por sete seqüestros, porque em dois deles a quadrilha manteve duas pessoas em cativeiro, conforme o promotor Fernando Pereira Viana Neto. Viana lembrou que Andinho é acusado de pelo menos outros dez seqüestros, que ele confessou ao Departamento de Investigações Criminais (Deic) de São Paulo, responsável por sua prisão, em fevereiro deste ano. Esses casos ainda estão em investigação e somente serão denunciados depois de concluídos. A mais recente denúncia contra o Andinho refere-se ao seqüestro de uma mulher e uma criança em julho do ano passado, soltos depois de pagamento do resgate. Outros três comparsas da quadrilha participaram deste caso, mas eles não podem ser denunciados porque foram mortos em confronto com a polícia. O acusado pode se condenado a penas entre 12 e 20 anos de cadeia por cada seqüestro. Andinho também foi denunciado pelo MP e pela Justiça de Campinas pela co-autoria da morte do prefeito da cidade, Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, assassinado há um ano. Os outros três acusados, ou quatro, como já chegou a ser cogitado pela própria polícia, entre eles o autor do disparo, estão mortos. Apesar de o processo estar em andamento, a viúva Roseana Garcia garantiu que o novo advogado da família, o criminalista Márcio Thomaz Bastos, está reunindo documentos para pedir a reabertura do inquérito. Roseana afirmou que vários pontos não foram investigados e que o motivo do crime sequer foi apontado pela polícia, que encerrou o inquérito também sem descobrir o paradeiro da arma que matou o prefeito, uma pistola nove milímetros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.