Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Andreas é o único herdeiro dos bens da família

Estudante do colégio Porto Seguro, no Morumbi, Andreas Albert von Richthofen, de 15 anos, será o único herdeiro dos bens de seus pais, Manfred Albert e Marísia von Richthofen. Isso porque o Código de Direito Civil Brasileiro nega o direito à herança aos filhos que matem os pais, como é o caso de sua única irmã, Suzane Louise."A lei é bem clara nesse sentido: filho que mata o pai está excluído da herança", afirma o jurista Luiz Flávio Gomes. Até completar a maioridade, o estudante deverá ser assistido por um curador, que poderá ser um parente.No dia seguinte ao crime, Andreas foi ouvido pela polícia sobre a morte dos pais. As contradições entre o seu depoimento e o da irmã levantaram as primeiras suspeitas de que havia alguma coisa errada na versão apresentada por Suzane Louise.No dia seguinte ao crime, ele esteve no enterro dos pais com a irmã, no Cemitério Redentor, na região central da cidade. Ele, que é faixa marrom de caratê, foi ouvido duas vezes pelos investigadores do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).Sempre contou a mesma história para a polícia, tanto que os investigadores logo perceberam que ele era mais uma vítima do caso: perdera os pais e, depois, soube que a tragédia, um crime definido como hediondo pela lei, foi causada pela irmã.Andreas foi nesta quinta-feira à noite ao departamento de homicídios com Suzane. Poucas horas antes, a polícia detivera o irmão do namorado dela, sob a suspeita de ele estar envolvido no crime.Começava a ser desfiada a trama que levou à elucidação do duplo assassinato. Antes que a irmã confessasse, os policiais percebiam que Andreas demonstrava já estar desconfiado do que ocorrera.Horas mais tarde, o rapaz saiu pela porta da frente do Palácio da Polícia, o prédio onde fica a sede do DHPP, no centro de São Paulo.Estava acompanhado por um policial e por um tio, irmão de sua mãe. Estava quieto e andava rápido. Não quis falar com nenhum jornalista. Foi levado para casa do tio, onde deverá morar, por enquanto.Acompanhe toda a história nos links abaixo. » Quinta, 31/10: Casal é assassinado no Campo Belo » Para vizinhos, casal era "simpático e reservado" » Sexta, 1/11: Policiais investigam namorado e filha do casal » Segunda, 4/11: Filha do casal depõe pela segunda vez » Terça, 5/11: Polícia volta à mansão do casal assassinado » Quarta, 6/11: Para Polícia, casal foi assassinado por vingança » Quinta, 7/11: Preso o irmão do namorado da filha » Sexta, 8/11: Pedida prisão de suspeito de matar o casal» A Polícia conclui: Suzane, a filha, tramou o assassinato»Assassinos do casal têm prisão provisória decretada» Polícia encontra material furtado da mansão do casal

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.