Cleber Gelio/Midiamax
Cleber Gelio/Midiamax

Angélica e Huck serão transferidos para o Hospital Albert Einstein

Casal de apresentadores sofreu ferimentos leves após o avião em que estavam fazer pouso forçado no Mato Grosso do Sul

Osvaldo Junior, Especial para o Estado

24 Maio 2015 | 17h36

CAMPO GRANDE - O casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica deve sair por volta das 19h (horário de Brasília) da Santa Casa de Campo Grande rumo a São Paulo, segundo informou o secretário estadual de Saúde Nelson Tavares. "Eles devem ser encaminhados para o [hospital Albert] Einsten", disse Tavares.

O secretário conversou com Huck e disse que o apresentador e sua esposa passam bem. Ainda de acordo com Tavares, foi a pedido de Huck que o comandante Osmar Vaz foi transferido para a Santa Casa. "Ele queria o comandante junto, porque ele os salvou. E eu fiz a gentileza de buscá-lo com meu próprio carro", contou.

Dos nove ocupantes da aeronave, apenas Vaz não havia sido encaminhado para a Santa Casa. Ele foi levado para uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Campo Grande, mas, como os médicos da rede pública do município estão de greve, havia apenas um médico para atender a todos os paciente, de acordo com a esposa dele, Lucilene Vaz.

Falha. O acidente envolvendo os apresentadores Luciano Huck e Angélica Ksyvickis teria sido provocado por problemas na bomba de combustível. A informação foi dada por Lucilene Gonçalves Vaz, de 50 anos, mulher do comandante Osmar Aurélio Frattine Vaz, 52, que pilotava a aeronave. "Ele (Osmar) me disse que uma bomba de combustível falhou. Ele tentou a outra, que falhou também. Por isso, precisou fazer o pouso forçado", informou Lucilene na entrada do Pronto Socorro da Santa Casa.

O comandante foi levado da Unidade de Pronto Atendimento Médico (UPA) da Guaicurus, em Campo Grande para a Santa Casa por volta das 16h30. Por falta de ambulância, o secretário de Saúde do Estado, Nelson Tavares, buscou o paciente, usando veículo próprio. Segundo o secretário, Osmar foi encaminhado para a UPA, e não para a Santa Casa porque seu estado não era grave. "Ele tinha apenas cortado o supercílio", justificou.

Osmar chegou à Santa Casa com um curativo na cabeça e segurando um soro. Ele entrou no Pronto Socorro andando e não falou com a imprensa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.