ANP interdita mais 5 milhões de litros de combustível

Cinco milhões de litros de combustíveis foram interditados hoje em duas distribuidoras de Paulínia por técnicos da Agência Nacional de Petróleo (ANP). O material estava em nove tanques, oito deles instalados na Distribuidora Bremem que, conforme constatou a ANP, operava irregularmente.A outra interdição foi feita em um tanque de 550 mil litros da Distribuidora Excell, porque ficou constatado que o combustível estava adulterado. Ninguém foi detido. A Polícia Civil instaurou inquéritos para proceder as investigações. Segundo o delegado de Paulínia, Tadeu Aparecido Brito de Almeida, há suspeita de que dois dos oito tanques da Excell também contenham combustível adulterado. Ele disse que estava aguardando os laudos solicitados pela ANP, mas ainda não recebeu o material. O delegado afirmou que os diretores das duas empresas serão chamados a depor.Ontem a Polícia Civil e a ANP interditaram 1,9 milhão de litros de combustíveis na Distribuidora Transo, também por adulteração. O diretor da empresa, que teve o nome preservado, foi preso em flagrante e pagou R$ 3 mil de fiança para responder ao processo em liberdade. A polícia investiga ainda o desaparecimento de pelo menos 5,2 milhões de litros de combustíveis que foram encaminhados do Rio de Janeiro para a Transo, de onde seriam exportados para a Bolívia. Almeida acredita que o sumiço do material possa revelar um esquema de sonegação de impostos, já que o combustível para exportação é isento de algumas taxas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.