Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

ANP pode cassar registro da Petroforte amanhã

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) pode cassar amanhã o registro da distribuidora de combustíveis Petroforte, do empresário Ari Natalino da Silva, suspeito de ser um dos maiores adulteradores de combustíveis do País. A empresa está sob investigação da Polícia Federal, Ministério Público e da CPI dos Combustíveis. O motivo do pedido de cassação em processo da ANP, porém, é a falta de documentos necessários para manter o registro. O assunto está na pauta da reunião de diretoria da agência. A empresa obteve seu registro para atuar como distribuidora em 1993. Em julho deste ano, porém, a ANP iniciou um processo administrativo que pode culminar com a cassação do registro amanhã. Se tiver a licença cancelada, a Petroforte fica impedida de atuar como distribuidora de combustíveis. Seu proprietário, porém, pode solicitar novo registro, em nome de outra empresa. Natalino já foi investigado pelas CPIs do Narcotráfico, do Roubo de Cargas e dos Combustíveis. Teve sua prisão decretada e ficou sob custódia, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde tratava de complicações de uma leucemia. Sua prisão foi pedida pela Polícia Federal, por conta de um processo por sonegação de Imposto de Renda, em valor que ultrapassa R$ 15 milhões, entre 1997 e 2000. No início do mês, porém, o pedido de prisão foi suspenso pelo Tribunal Regional Federal de São Paulo e o empresário, libertado. Desde fevereiro, a Petroforte não compra combustíveis nas refinarias da Petrobras, mas há suspeitas de que a empresa continue fazendo negócios no setor, por meio da compra de combustíveis em outras distribuidoras, prática ilegal no mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.