ANP vai abrir sindicância para apurar prisão de fiscal

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) informou no início da noite que vai abrir uma sindicância interna para apurar a participação do fiscal Carlos Alberto Hasselmann em uma quadrilha que sonegava impostos na venda de combustíveis. Hassemann foi preso hoje, com mais 14 envolvidos, em uma operação da Polícia Federal, coordenada em cinco estados.Segundo a polícia, a quadrilha era chefiada pelo empresário Antônio Carlos Chebabe, dono da distribuidora de combustíveis Chebabe Distribuidora de Petróleo.A PF apreendeu ainda documentos que podem comprovar as denúncias, segundo o porta-voz da instituição, Reinaldoi de Almeida César. As buscas foram feitas na casa de Chebabe e de seu genro, além de escritórios no Rio e em Ponta Porã (PR) e na sede do Banco Safra, em São Paulo. Neste último, a polícia descobriu que o empresário fez remessa de dinheiro para o Uruguai e para paraísos fiscais como as Ilhas Virgens e Caymann.Chebabe foi preso em casa, em um luxuoso prédio em Campos, na região Norte-Fluminense. Hasselmann, em seu apartamento na Lagoa Rodrigo de Freitas. A operação foi iniciada em setembro e, desde então, a polícia vem acompanhando ligações telefônicas entre os envolvidos e chegou a gravar um pagamento de propina no aeroporto Santos Dumont.A ANP informou que a sindicância interna pode culminar com a demissão do fiscal. Ele e os outros presos estão na carceragem da Polícia Federal, no Rio, e devem ser transferidos para o presídio Ary Franco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.