REUTERS/Ueslei Marcelino
REUTERS/Ueslei Marcelino

Antes do Sínodo, bispo católico prega ‘não’ à mineração e grandes obras na Amazônia

D. Evaristo Spengler cobrou, durante audiência na Câmara dos Deputados, a 'suspensão imediata da implementação de megaprojetos que agridem o bioma da região'

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2019 | 16h41
Atualizado 01 de outubro de 2019 | 22h35

BRASÍLIA - Em uma prévia de como o clero vai se posicionar durante o Sínodo da Amazônia, o bispo do Marajó (PA), d. Evaristo Spengler, integrante da comitiva brasileira que viaja ao Vaticano na próxima semana para a assembleia especial com o papa Francisco, manifestou nesta terça-feira, dia 1º, um pedido de rechaço à mineração e a grandes obras na região, o que vai contra planos do governo Jair Bolsonaro. O bispo cobrou, durante audiência na Câmara dos Deputados, a "suspensão imediata da implementação de megaprojetos que agridem o bioma da Amazônia".

"Queremos pedir um não a projeto de mineração em territórios indígenas, não ao garimpo legal e ilegal na Amazônia, não à regularização de novos garimpos. Não às rodovias, ferrovias e hidrelétricas que destroem o meio ambiente. Nenhum grande projeto pode ser implantando sem a consulta prévia, livre e informada".

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro, que já admitiu monitorar a preparação do sínodo por suspeita de ameaças à soberania brasileira,  conversou com um grupo de garimpeiros em frente ao Palácio do Planalto e criticou o interesse estrangeiro na floresta. "O interesse na Amazônia não é no índio e nem na porra da árvore, é no minério", afirmou Bolsonaro. O presidente cogitou mobilizar as Forças Armadas para assegurar a possibilidade de exploração mineral na região de Serra Pelada, sul do Pará. Além disso, o governo Bolsonaro prepara na Secretaria de Assuntos Estratégicos o programa Barão do Rio Branco, que inclui a construção da Ponte de Óbidos, de uma hidrelétrica no Rio Trombetas e a expansão da BR-163.

A Igreja nega ser a favor da internacionalização da Amazônia. O bispo afirmou que a Igreja conhece bem a região porque “mergulhou na Amazônia” e que os missionários “chegam onde o Estado não chega”. Spengler voltou a dizer que as lideranças católicas que defendem direitos humanos e da terra são "criminalizadas e tratadas como inimigos da pátria" - uma referência a críticas feitas por integrantes do governo federal ao sínodo e os documentos preparatórios. "Há uma inversão total de valores", reclamou Spengler.

O representante da Igreja anunciou que a Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam-Brasil) e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vão lançar logo após o Sínodo uma campanha por mais proteção aos defensores. O clérigo solicitou que a Câmara "se empenhe e reforce o programa de proteção a defensoras e defensores de direitos humanos, socioambientais e indígenas, hoje ameaçados de morte por sua luta".  

"Esses defensores de direitos confrontam com grupos econômicos poderosos que violam normas do direito nacional e internacional. Para garantir seus objetivos, esses não têm escrúpulo em eliminar vidas quando cruzam seus interesses", denunciou o bispo. "É imprescindível para manter a floresta em pé e a vida dos povos preservada que suas lideranças e comunidades ameaçadas estejam efetivamente protegidas de todo tipo de violência e ameaça que hoje estão sofrendo."

A Igreja também pediu a criação de políticas públicas de financiamento de iniciativas econômicas que valorizem o projeto socioambiental em detrimento de "projetos de exploração predatória".

"Há necessidade de criar linhas de financiamento público para que as comunidades tradicionais e os povos indígenas possam desenvolver seus meios de vida garantindo a floresta em pé. Até hoje, só acontece financiamento público para projetos predatórios e pessoas que não são da Amazônia. Nessa perspectiva, também é muito importante que se invista em políticas públicas para valorização dos produtos que mantenham a floresta em pé e que possam ter efetivamente a preservação da própria identidade, até com patente dos produtos da Amazônia. Se não os japoneses vão patenteá-los.”

 

Governo Bolsonaro coloca soberania em risco, diz bispo católico

D. Evaristo Spengler, rebateu nesta terça-feira, dia 1º, a tese de integrantes do governo Jair Bolsonaro segundo os quais o Sínodo da Amazônia, assembleia especial convocada pelo papa Francisco, pode ameaçar a soberania nacional. Para o bispo, a Igreja e o governo falam “em campos opostos”, e as iniciativas de Bolsonaro é que deixam “em risco” a soberania do País.

Um dos integrantes da comitiva brasileira que viaja ao Vaticano na próxima semana, o bispo Spengler criticou o acordo entre os governos do Brasil e dos Estados Unidos para exploração comercial da base de lançamentos espaciais de Alcântara (MA) e a procura do presidente por parceiros internacionais “do primeiro mundo” para explorar riquezas minerais em terras indígenas.

“Levanta-se uma suspeita: se o sínodo ameaça a soberania nacional. Minha pergunta: quem é que está entregando a base de Alcântara? Quem é que está chamando mineradoras norte-americanas e estrangeiras para vir explorar a Amazônia? Não é a Igreja. Então quem está colocando a soberania em risco não é a Igreja. Talvez seja esse governo que está colocando a soberania do Brasil em risco”, afirmou d. Evaristo Spengler, durante audiência na Câmara dos Deputados. “A Igreja, pelo contrário, defende os povos que vivem na Amazônia, defende os povos indígenas, e quer a relação do ser humano com o meio ambiente seja de harmonia, não de destruição. Então, estamos falando em campos opostos. E a Igreja mantém e reafirma a sua decisão de dizer que a soberania é brasileira, mas nós queremos defender o meio ambiente, porque isso foi criado por Deus e nós somos corresponsáveis por tudo que Deus criou.”

O clérigo reconheceu que, apesar de não ser um fórum internacional de governantes, mas uma assembleia interna, o sínodo terá repercussões “para fora”. Atualmente, a maior preocupação do governo, sobretudo de diplomatas e militares, são com as resoluções do pontífice após o sínodo. O presidente já disse que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) monitora a preparação do encontro, que, para ele “tem muita influência política”.

O secretário executivo do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Cleber César Buzatto, disse que o papa Francisco sugere, com o sínodo, a criação de uma alternativa à sociedade do consumo capitalista e também criticou o governo Bolsonaro.

“O papa Francisco nos propõe que construamos um novo modelo de sociedade, onde a sobriedade feliz seja a razão de existência e do futuro, uma sociedade do bem viver como alternativa à sociedade do consumo, do acúmulo sem fim, da desigualdade absoluta, sociedade esta produzida pelo sistema capitalista e seu modelo neoliberal, ao qual o governo Bolsonaro é subserviente. Por isso que o governo discursa e age com essa intencionalidade de destruir a vida e os projetos de futuro dos povos da Amazônia, a fim de atender a interesses financeiros de corporações empresariais internacionais da mineração, do agronegócio e outros setores financistas.”

Martha Bispo, secretária executiva da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) Nordeste 5, no Maranhão, fez críticas a um sistema “que destrói e mata a Amazônia” e defendeu que as comunidades locais sejam ouvidas pelo governo para “administrar melhor o Brasil”. Ela rejeitou interferências estrangeiras na floresta.

“Não queremos uma Amazônia dos Estados Unidos, não queremos uma Amazônia europeia. Queremos uma Amazônia brasileira, território brasileiro, gestado a partir de nossas vidas”, disse a leiga católica. “Nós apelamos para um jeito de governar e de fazer política dos povos indígenas, dos quilombolas, das quebradeiras de coco. Por que não vamos atrás de outro modelo?”, questionou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.