Antigo Dops será transformado em centro de memória às vítimas da ditadura no Rio

Anúncio foi feito nesta quarta-feira, 8, pelo governador Sérgio Cabral; em restauro, edifício era disputado por grupos de direitos humanos e pela própria polícia

Wilson Tosta, O Estado de S. Paulo

08 Maio 2013 | 14h18

RIO - O governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), anunciou nesta quarta-feira, 8, que destinará o prédio do extinto Departamento de Ordem Política e Social (Dops), órgão de repressão política que era sediado na Rua da Relação, no centro do Rio, à constituição de um centro de memória das vítimas do regime militar (1964-1985).

O prédio, que está sendo restaurado, era disputado por grupos de direitos humanos que pleiteavam a criação do centro e pela Polícia Civil, que queria instalar ali o seu museu. Também havia especulações de que o prédio poderia ter alguma destinação comercial.

O governador fez o anúncio durante a solenidade de instalação da Comissão Estadual da Verdade, realizada na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ). "Vai depender da comissão", segundo o governador, o decreto que vai criar o centro de memória.

 

Mais conteúdo sobre:
dops, rio, memória, ditadura

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.