Anvisa quer mudar fórmula da cola de sapateiro

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) propôs uma série de regras para evitar o uso de cola de sapateiro e outros produtos que levem solventes em sua composição como entorpecentes. Entre as sugestões, está retirar da fórmula de tais produtos substâncias que possam provocar efeitos neurológicos e dependência química. ?É uma medida de saúde pública, indispensável para reduzir a inalação proposital dos solventes?, afirmou o gerente-geral de Saneantes da agência, Jorge Luiz Cavalcanti.Solventes inaláveis estão entre as drogas ilícitas mais consumidas do País. Pesquisa feita pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas da Universidade Federal de São Paulo (Cebrid-Unifesp) mostra que o consumo de solventes só é menor do que o de maconha. O levantamento mostra que 5,8% dos entrevistados usaram o produto de forma recreacional pelo menos uma vez na vida.No caso da cola de sapateiro industrial, a mudança na fórmula do produto é relativamente simples, avalia Cavalcanti. Mas ele reconhece que em outros itens tal medida não é fácil de ser executada. ?A lista de produtos com solventes é extensa. Em alguns casos, a fórmula terá de ser mantida?, disse. Nesses casos, a Anvisa vai recomendar que sejam adicionados à formula produtos que inibam a sua inalação. ?São substâncias que exalam odores muito desagradáveis. Isso certamente vai desestimular o uso recreacional dos solventes?, completou. A Anvisa propõe também que embalagens de produtos solventes contenham avisos sobre os riscos da inalação e recomendações para os primeiros socorros.As sugestões da Anvisa, que tratam tanto da produção quanto da venda e distribuição de inalantes e solventes, foram postas em Consulta Pública anteontem. Depois de recolhidas e analisadas as sugestões, a agência deverá publicar uma resolução com as novas regras. Pela sugestão da Anvisa, as normas serão aplicadas a embalagens de até 200 litros de produtos que vão de esmaltes, colas e tintas a removedores e corretivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.