Ao defender ministro, Temer diz que tentou legalizar lobby

Vice endossa ideia de aprovar regras mais rígidas para os agentes públicos; Kassab também declara apoio à tese

Suzana Inhesta, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2011 | 00h00

O vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) defendeu ontem a aprovação de regras mais duras para estabelecer limites nos conflitos de interesses de agentes públicos. Ele afirmou que as medidas já estão sendo e foram tomadas. "Até tentei, enquanto presidente da Câmara, regulamentar a questão do lobby, para deixar as regras mais claras", ressaltou, ao comparecer à convenção estadual do PP em São Paulo, realizada ontem na Assembleia.

Temer defendeu o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, alvo de suspeitas por ter multiplicado por 20 seu patrimônio nos últimos quatro anos. "Nós confiamos muito no ministro e ele vai prestar todos os esclarecimentos possíveis. Não tenho dúvida da lisura do Palocci", disse o vice-presidente.

Kassab. Também presente à convenção estadual do PP, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), endossou a aprovação de regras mais rígidas para os agentes públicos. "Eu defendo sempre as ações do poder público, do Judiciário e do Legislativo que dão condições à sociedade brasileira de acompanhar qualquer processo que envolva a administração pública. Que venham novas regras que possam evidentemente zelar pela democracia e pelo bom uso dos recursos públicos", disse.

O Estado mostrou ontem que o Congresso não se empenha em votar três projetos sobre o tema já existentes: tornar crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos, definir situações em que haja conflito de interesses públicos e privados e ampliar a punição a servidores envolvidos em irregularidades. As três propostas foram apresentadas em 2005, 2006 e 2009, respectivamente.

Kassab afirmou ainda que "como todos os brasileiros" está aguardando explicação de Palocci sobre a multiplicação de seu patrimônio e torcendo para que o caso seja esclarecido da melhor forma possível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.