Apenas duas empresas mudaram para a área

Enquanto apenas a confecção de um projeto para as obras urbanísticas na Nova Luz levará pelo menos dez meses, a instalação de empresas na região, atraídas por benefícios fiscais - outra das premissas da Prefeitura para recuperar a área - também caminha a passos lentos. Apenas duas das 23 empresas já habilitadas para receber os incentivos, desde 2007, já funcionam na Nova Luz. As demais ainda não têm previsão de mudar. Estão em fase de ter os documentos fiscais em análise pelo governo para terem os benefícios liberados. Depois, terão até dez anos para investir no centro. Já a Secretaria de Estado da Habitação espera começar até o próximo mês a construção na antiga Cracolândia de dois prédios da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), talvez o primeiro marco da Nova Luz. O Conselho Municipal do Patrimônio Histórico (Conpresp) aprovou no mês passado as obras dos edifícios na Rua dos Gusmões, com um total de 153 unidades, em um lugar normalmente tomado por dezenas de jovens que se reúnem para fumar crack.

, O Estadao de S.Paulo

02 Julho 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.