Apesar das filas, dia amanhece mais calmo nos aeroportos

As operações nos aeroportos de todo o País iniciaram este domingo, 1, mais tranqüilas do que o cenário encontrado pelos passageiros no sábado. Em São Paulo e no Rio de Janeiro ainda há vôos atrasados, mas o movimento nos guichês das companhias aéreas está dentro da normalidade. Ao longo do dia, com o aumento do número de vôos, a expectativa é de que podem ocorrer novos atrasos - já que há uma grande quantidade de viagens do sábado reprogramadas para o longo do dia. São Paulo - Congonhas A situação no aeroporto de Congonhas na manhã deste domingo começou a se normalizar após a crise do fim de semana, apenas com filas acima do normal no check-in da Gol e da TAM. A forte chuva que atingiu a capital paulista no final da tarde do sábado, 31, foi um fator complicador do já caótico tráfego aéreo, com atrasos e cancelamentos de vôos provocados pela greve dos controladores. Congonhas permaneceu fechado por uma hora e meia no sábado, fazendo com que parte dos passageiros tivessem seus vôos cancelados ou transferidos para este domingo, 1. O painel indica que nas partidas os vôos estão com seus horários confirmados. Dos 27 vôos programados para acontecer das 5 horas às 9 horas deste domingo, três foram cancelados - dois da TAM e um da Varig. De acordo com informações da Infraero, nenhum registrou atraso superior a 45 minutos. São Paulo - Cumbica No aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos, ainda há muitos passageiros aguardando o momento de embarcar, mas a situação é bem mais tranqüila do que no sábado. Os vôos estão saindo com atrasos, mas os passageiros estão calmos. São Paulo - Viracopos Em Campinas, no Aeroporto de Viracopos, a média de atrasos não ultrapassa quinze minutos, na manhã deste domingo. Segundo comunicado divulgado pela Infraero, três vôos da Gol sairiam da cidade durante , não há registro de atrasos. Brasília A situação em Brasília é uma das mais preocupantes. De acordo com a Infraero, dos 22 vôos programados para a manhã deste domingo, todos registravam atrasos de mais de uma hora e um vôo foi cancelado. Passageiros, obrigados a enfrentar esse atraso, já enfrentam filas grandes do local. Rio de Janeiro A situação no internacional Tom Jobim na manhã deste domingo é mais tranqüila apesar da grande movimentação de passageiros nos guichês das empresas Gol e TAM. A madrugada transcorreu sem anormalidades, não houve filas, todos os vôos saíram, com certo atraso, e outros 38 foram cancelados, segundo a CBN. O movimento neste domingo deve ser menor do que o do sábado. Na sexta-feira, a funcionária da BRA, Margareth de Souza, chegou a ser agredida por um passageiro. Belo Horizonte No aeroporto internacional de Confins há apenas um vôo atrasado nesta manhã, segundo a CBN. De acordo com a Infraero, a situação deve se normalizar neste domingo. Curitiba No Aeroporto Internacional Afonso Pena, os 13 vôos programados para decolarem entre 6 horas e 9 horas, nenhum foi cancelado e o maior atraso foi de uma hora. Foi neste aeroporto que Luiz Fernando Moska, de 54 anos, um dos passageiros impedidos de viajar na noite de sexta, 30, de Curitiba para Porto Alegre, onde mora, acabou morrendo de enfarte, na manhã do sábado, 31, quando já estava internado em um hospital de Curitiba. Florianópolis De acordo com a Infraero, o Aeroporto Internacional Hercílio Luz opera desde o início da manhã deste domingo com atrasos de poucos minutos. Até o meio-dia, quatro vôos deveriam decolar no aeroporto. Segundo informações da assessoria de imprensa da Infraero, quatro vôos estavam programados para o domingo. Não há expectativa de registro de atrasos. Rio de Janeiro Embora o movimento esteja muito menos intenso em comparação com o sábado, os aeroportos Santos Dumont e Tom Jobim, no Rio de Janeiro, ainda vivem atrasos neste domingo. Em média, os passageiros precisam esperar até uma hora. Ainda há passageiros que tentam embarcar depois de não conseguir nem na sexta-feira, muito menos no sábado. Matéria alterada às 11h30, para acréscimo de informações

Agencia Estado,

01 Abril 2007 | 07h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.