Apesar de data difícil, presença de 32 chefes de Estado e de governo

A posse de Dilma Rousseff terá a presença de 32 chefes de Estado e de governo, a maioria da América Latina e África. Outros 27 países enviarão vice-presidentes e chanceleres, como a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton. A outra mulher presidente na América do Sul, Cristina Kirchner, informou ao Itamaraty que não vai comparecer.

Lisandra Paraguassú, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2011 | 00h00

Um dia difícil para atrair a visita de mandatários estrangeiros, o 1.º de janeiro sempre foi um problema para a posse de presidentes brasileiros. Uma das poucas exceções foi a primeira cerimônia de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, em que vários países europeus enviaram representantes e até mesmo o ditador cubano Fidel Castro compareceu. Desta vez, Cuba enviará apenas o primeiro vice-presidente, José Ramón Machado Ventura.

Nem mesmo o francês Nicolas Sarkozy, que tem na possível venda de caças para a Aeronáutica um negócio de R$ 6 bilhões, virá ao Brasil. O ex-primeiro-ministro Alain Jupé o representará.

A maior parte dos estrangeiros que estarão em Brasília representa países com relações políticas e comerciais estratégicas com o País. Caso do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Virão também Hugo Chávez, da Venezuela, Evo Morales, da Bolívia, e o presidente do Paraguai, Fernando Lugo.

Entre os países europeus, apenas Portugal e Bulgária enviarão seus primeiros-ministros. Suécia, Sérvia e Espanha mandarão outros representantes.

NOMES CONFIRMADOS

Hillary Clinton

Secretária de Estado dos Estados Unidos

Mahmoud Abbas

Presidente da Palestina

Hugo Chávez

Presidente da Venezuela

Sebastián Piñera

Presidente do Chile

José Sócrates

Primeiro-ministro de Portugal

D. Felipe de Borbón

Príncipe herdeiro da Espanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.