Após 15 anos, Rosas de Ouro é a campeã do carnaval 2010

estadao.com.br,

16 de fevereiro de 2010 | 17h42

Em votação apertada, a Rosas de Ouro venceu o carnaval 2010, após 15 anos sem levar o título. A Rosas de Ouro contou a história do cacau desde povos antes de Cristo até a fábula de Willy Wonka, retratado no filme "A Fantástica Fábrica de Chocolates" (Mel Stuart, 1971). Os ritmistas, por sinal, usavam fantasias inspiradas no personagem, e a modelo e atriz Ellen Rocche, madrinha de bateria, fazia o papel de rainha da fábrica. Há quinze anos a escola não vencia o Grupo Especial das escolas de samba de São Paulo. "Hoje viemos para ganhar. A expectativa é grande", afirmou a presidente da escola, Angelina Basílio, antes do desfile. "O grito de campeão está entalado na garganta", afirmou Ellen Rocche, antes de entrar na avenida. A escola foi a terceira colocada em 2009.

A Rosas lutou contra o relógio. Uma hora e cinco minutos cravados. Esse foi o tempo do desfile, da penúltima a entrar na avenida. A marca, limite, estava prevista pela diretoria, segundo disse a presidente, que esteve à frente da Rosas durante toda a apresentação no Anhembi. A escola teve um pequeno incidente na comissão de frente. Um dos integrantes não desfilou, mas não foi revelada a razão. "Mas nada que tenha atrapalhado um desfile perfeito e muito técnico", afirma presidente. Com fantasias luxuosas, alegorias com muitos adereços e um samba-enredo que "cola", a escola da Freguesia do Ó levantou o público no Sambódromo do Anhembi. Grande parte da arquibancada balançava bexigas rosas e azuis e batia palmas no ritmo dos passistas. No ar, o cheiro de chocolate, que na verdade se assemelhava mais à fumaça utilizada em danceterias.

Outro otimista com o resultado do desfile foi o astronauta Marcos Pontes, o primeiro brasileiro a ir ao espaço, que desfilou no chão. "A Rosas sempre entra esperando o primeiro lugar. Esse ano temos mais chances. Foi um desfile muito bonito". E para quem acha que não tem nada a ver um desfile de escola de samba e mandar um homem para o espaço, Pontes diz que essa é sim uma boa comparação. Ele conta que tanto no carnaval quanto no lançamento de um foguete, há uma intensa preparação de meses e que tudo isso é voltado para um único momento. "É a mesma coisa: é muito detalhe, muita concentração, para colocar em prática numa só oportunidade", diz ele, que viajou de Houston (Estados Unidos), onde mora com a família para a capital paulista especialmente para desfilar pelas Rosas de Ouro.

Mais conteúdo sobre:
carnaval 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.