Após 4 meses, parque de skate é reformado

Usuários reclamam da construção; secretaria cita ''ação de vândalos''

Felipe Oda, O Estadao de S.Paulo

18 de junho de 2009 | 00h00

Pouco mais de quatro meses após sua inauguração, o Parque Zilda Natel, mais conhecido como parque dos skatistas, localizado na esquina da Avenida Dr. Arnaldo com a Rua Cardoso de Almeida, em Perdizes, zona oeste, está fechado para reformas.Frequentadores dizem que as três pistas de skate têm rachaduras e buracos, parte do gradil que cerca o local está quebrado e os canos usados nas manobras estão soltos. "A obra não foi feita no capricho. Não é normal, em tão pouco tempo, o lugar se deteriorar assim", diz o empresário Luiz Fernando Ghepardi, de 29 anos, skatista. Nem todos se surpreenderam com a necessidade precoce de reformas. Conselheiro gestor do parque, o skatista Flávio Ascânio, de 45, diz que os problemas começaram na concepção das pistas e se agravaram porque a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (SVMA), responsável pela conservação, abandonou o local. "Quando descobrimos que a Prefeitura construiria um ?skate park? no local, fomos atrás do projeto. Inicialmente, ele era ultrapassado e perigoso. Montamos uma comissão de skatistas para assessorá-los e sugerimos modificações. A construtora acatou muitos conselhos, mas a licitação deveria ter escolhido alguém com experiência nesse tipo de obra." Procurada, a secretaria informou, em nota, que os defeitos foram causados pela "ação de vândalos". "Houve arrombamento de um dos portões, seguida de depredação em alguns dos equipamentos", diz o texto. "Isso não aconteceria se tivesse um zelador cuidando", afirma Ghepardi. "Alguém para varrer as pistas, limpar os banheiros, arrumar os bebedouros", emenda Ascânio.Apesar de ser de responsabilidade da SVMA, foi a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras que contratou a empresa que construiu o parque, ao custo de R$ 7 mil. "E quem realiza os eventos de skate é a Secretaria de Esportes. É um jogo de empurra e ninguém toma conta do parque", diz Ascânio.Para André Graziano, assistente de áreas verdes da Coordenação das Subprefeituras, "no momento da entrega da obra, a administração do parque foi transferida para a Secretaria do Verde". "Esperamos que assuma a administração e mantenha a estrutura construída." Thiago Lobo, coordenador de Esportes Radicais da Secretaria de Esportes, confirma o interesse da pasta pelo parque. Porém, não há proposta formal para a transferência da administração. A SVMA pretende reabrir o parque no domingo e afirma que a interdição foi necessária para garantir a segurança dos usuários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.