Após 48 h, turistas chegam à Argentina

Navio com 1.479 pessoas - 338 brasileiros - ficou ancorado 30 h no Uruguai por causa de um incêndio

Adriana Carranca, O Estadao de S.Paulo

28 Fevereiro 2009 | 00h00

Seria engraçado, não fosse trágico. Ontem, a piada entre os poucos passageiros do transatlântico Costa Romantica que ainda conseguiam sorrir era de que eles ficaram, literalmente, "a ver navios". Cansados, irritados, revoltados com o tratamento dado pela Costa Cruzeiro, eles estavam desesperados para voltar para casa. Para os 1.479 passageiros - entre eles, 338 brasileiros - foram mais de 30 horas em alto-mar, ancorados a 12 quilômetros da costa uruguaia, sem luz, ar-condicionado, água, comida. O caos foi seguido de uma noite mal dormida e um dia de confusão. Segundo passageiros contatados pelo Estado, somente ontem à noite - 48 horas mais tarde - a empresa providenciou transporte de Punta del Este para Buenos Aires, destino original do cruzeiro. O Costa Romantica teve problemas em um dos quatro geradores elétricos por volta das 20 horas de quarta-feira, o que provocou um incêndio, controlado. A luz de emergência foi acionada, mas era insuficiente. A Assessoria de Imprensa da Costa Cruzeiro informou que o problema foi resolvido por dois técnicos da Marinha uruguaia e o navio teria levantado âncora às 19h15 de quinta-feira, com desembarque iniciado às 20h30.Mas passageiros relataram só terem chegado a um hotel, em Montevidéu, na manhã de ontem. "O navio entrou no canal de madrugada, fizemos a travessia de 15 minutos em barcos até Punta del Este e só chegamos ao hotel às 7 horas. Estamos sem dormir, exaustos, depois de horas num navio fedido, sem luz ou comida. Um pesadelo", esbravejava ontem Marcio Tadeu, que viaja com a mulher, outros quatro casais e duas crianças de apenas 5 anos."Eles (Costa Cruzeiro) queriam evitar que fotos do desembarque aparecessem nos jornais e fizeram tudo à noite. A marinha uruguaia insistiu para o resgate ser de dia, mas eles preferiram colocar as nossas vidas em risco, numa noite de mar alto", diz Tadeu. As opções eram rebocar o navio ou transportar os passageiros em botes. A Costa optou pelo conserto. O grupo diz que funcionários "só apareceram para dar informação às 16 horas" de ontem. Os turistas sairiam em um ferryboat para Buenos Aires às 17 horas (horário de Brasília), em uma travessia de três horas. A informação não bate com a da Assessoria de Imprensa, que disse ter encaminhado os passageiros de avião pela manhã. O navio saiu do Rio na segunda-feira e deveria chegar anteontem a Buenos Aires, que Tadeu e amigos visitariam antes da volta ao Brasil. "Perdemos o hotel e a passagem", disse. O grupo pretende entrar na Justiça contra a Costa Cruzeiro, que ofereceu 20% de desconto em um cruzeiro futuro, além do reembolso equivalente a dois dias no Costa Romantica, o que é lei. Segundo o Procon, os clientes não são obrigados a aceitar a proposta.Da italiana Costa Crociere S.p.A., o navio foi construído pelo estaleiro Veneza Fincatieri em 1993. Reformado em 2003, tem capacidade para 1.680 passageiros e 590 tripulantes. De Buenos Aires, seguiria em um cruzeiro de 14 noites até a Terra do Fogo, cancelado - os passageiros serão reembolsados. Dois minicruzeiros estão programados de Buenos Aires, e no dia 23 de março o navio partiria do Brasil para a Itália, roteiros mantidos, embora não haja previsão para o conserto definitivo do navio, que está sendo feito no Uruguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.