Após 6 horas de seqüestro dona-de-casa é libertada no Rio

A dona de casa Maria Celeste Martins de Matos, de 49 anos, ficou mais de 6 horas nas mãos de seqüestradores na Baixada Fluminense. Ela foi seqüestrada às 11h30 de segunda-feira, 2, quando saiu de casa para buscar seus dois filhos, de 8 e 15 anos, que estavam no colégio, em São João de Meriti. A vítima ocupava um Ford Focus quando foi abordada pelos bandidos. Por volta das 14 horas, ela foi levada para o cativeiro, uma casa no bairro de Miguel Couto, em Nova Iguaçu. Maria Celeste só foi encontrada pela polícia, porque um dos criminosos, identificado como Vitor Chagas, foi parado por policiais militares durante abordagem de rotina. Ele pretendia realizar saques em caixas eletrônicos e acabou confessando o crime. Enquanto o marido da vítima, o comerciante Manoel Resende Matos, de 58 anos, prestava queixa do desaparecimento da esposa, Chagas foi levado pelos policiais para o 64º Distrito Policial, de Vila dos Teles, em Meriti. Em seguida, Matos reconheceu o carro da família. O seqüestro terminou quando policiais militares e civis foram até o cativeiro, em Nova Iguaçu. Eles encontraram Maria Celeste Martins amarrada, mas sem ferimentos. O cúmplice de Chagas fugiu ao perceber a chegada dos policiais.

Agencia Estado,

03 Abril 2007 | 04h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.