Nilton Fukuda/Estadão
José Maria obteve a tutela dos netos e se divide entre a própria casa e a do filho em BH. Já a avó teve de mudar-se para a casa das crianças Nilton Fukuda/Estadão

Brumadinho, 6 meses depois: 248 mortos, 22 desaparecidos e uma centena de órfãos

Famílias atingidas pela ruptura da barragem se apoiam hoje apenas na fé e nas lembranças; entre as vítimas, duas mulheres estavam grávidas

Pablo Pereira, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2019 | 17h02

BRUMADINHO - Gabriel tem olhos claros, energia de criança de 7 anos bem cuidada e é companhia para o irmão, Samuel, que vai completar 4 anos no dia 27. A vida dos meninos sofreu um baque com a morte do pai, o engenheiro da Vale Alexis Adriano da Silva, soterrado no dia 25 de janeiro pela lama da Barragem 1 da Mina do Feijão, em Brumadinho, interior de Minas. O corpo do engenheiro, de 41 anos, viúvo, foi encontrado no fim de fevereiro. Quase seis meses depois, os filhos dele fazem parte de uma centena de órfãos das vítimas da tragédia.

Pelo menos 248 mortos foram identificados, além de dois bebês ainda em gestação, e 22 pessoas permanecem na lista dos não localizados, em um total de 272 vítimas. “Há uma centena de crianças, adolescentes e jovens, filhos de pessoas que perderam a vida”, avalia o bispo auxiliar de Belo Horizonte, dom Vicente Ferreira, após reunião das famílias atingidas em Brumadinho. Na entrada da cidade, desde fevereiro acontece, todo dia 25, uma cerimônia. Fontes de Brumadinho contam pelo menos 105 filhos de famílias atingidas pela tragédia.

Na cerimônia mensal, organizada por parentes dos atingidos, são lidos os nomes dos mortos, incluindo dos bebês (Maria Elisa, da gravidez de 5 meses de Eliana Melo, e Lorenzo, da gestação de 5 meses de Fernanda Damian de Almeida), e também dos não encontrados. A cada nome ouve-se a resposta emocionada dos parentes: “Presente”!

Brumadinho fica a cerca de 60 quilômetros da capital mineira, onde vivem atualmente Gabriel e Samuel, os filhos de Alexis, sob os cuidados dos avós, Sonia, de 63 anos, e o taxista José Maria da Silva, de 69. “A gente mantém os meninos no ambiente deles”, explica José Maria, que obteve a tutela dos netos e se divide entre a própria casa e o apartamento de Alexis, no bairro Caiçara, em BH. Já a avó, tentando evitar mais danos ao cotidiano, teve de mudar-se para a casa das crianças.

Os avós lembram que as crianças já haviam perdido a mãe, Flaviana, durante o parto de Samuel. “Agora, o pai nessa tragédia”, lamenta o avô. “O Gabriel não gosta de falar do pai, mas, às vezes, pergunta por ele, mostra a foto com a mãe e o pai”, explica a avó, que reforça no garoto as lembranças dos pais. “Mostra a sua família, Gabriel”, diz ela, enquanto o menino corre em busca de uma foto dele com Alexis e Flaviana.

A intensa dor da perda atormenta também a família dos gêmeos Antônio Augusto e Geraldo Augusto, de apenas 1 ano e 3 meses, filhos do casal Juliana Resende, de 33 anos, analista administrativa da Vale, e Dennis Augusto da Silva, de 34, técnico em planejamento. Ele foi localizado em fevereiro, e sepultado. Ela não foi achada.

Os órfãos do casal são amparados por familiares da mãe - os avós Geraldo Resende e Ambrosina e três tios -, assíduos na cerimônia dos dias 25 na entrada da cidade. Josiana Resende, de 31 anos, tia dos gêmeos, é uma das frequentes presenças na leitura da lista de nomes das vítimas. Com os irmãos Fabiana e Aleff, ela apoia os pais nos cuidados com os gêmeos e participa da organização dos encontros. “Vamos criar uma geração na orfandade, um público infantil com uma lacuna em suas vidas, um enorme vazio”, avalia o bispo de BH.

“Estão falando só de dinheiro. Isso está errado”, critica Roberta Cristina, de 37 anos, mulher de Luciano de Almeida Rocha, de 40 anos. Miguel, o filho mais novo dela, tem dificuldades para aceitar a morte do pai. “Com a gente, ele diz que o pai deve estar em algum hospital”, prossegue a mãe, que ampara também Maria, de 12 anos, e o mais velho, João, de 20.

Para a pastora da Igreja Luterana Silvia Genz, que participou do último encontro das famílias, em 25 de junho, a hora é de preocupação com o futuro dos órfãos. “O que se ouve deles é que não têm uma resposta sobre quem é responsável por essa tragédia”, afirma a religiosa.

Funcionário da Vale, afastado após a queda da barragem, Haroldo Júnior de Oliveira, de 29 anos, perdeu o pai, Aroldo Ferreira de Oliveira, de 52 anos, técnico de mecânica da Vale, outro que permanecia na lista dos desaparecidos. O rapaz lembra que o pai já pensava na aposentadoria e planejava ter uma oficina para trabalhar com um dos seus hobbies prediletos: os carros. “Era um sonho dele, que eu pretendo levar adiante”, diz Haroldo, irmão de Geovanna, de 22 anos. Com uma filha de 9 anos, ele vive em Brumadinho e segue a profissão do pai.

E a delicada situação das famílias da tragédia vai além do drama dos trabalhadores da Vale ou das empresas prestadoras de serviço para a gigante mineradora. Lediane de Paula, de 25 anos, que mora na vila de Córrego do Feijão, ao lado da área arrasada pela avalanche, é filha de Cristina de Paula, de 40 anos, que morreu quando trabalhava na pousada Nova Estância, também destruída. Lediane é casada com Michel Guimarães, de 30 anos, monitor de educação física de alunos da rede municipal de ensino em Córrego do Feijão. Michel, por sua vez, perdeu o irmão, Reinaldo Guimarães, de 31 anos, no local.

Reinaldo deixou duas filhas: Duda, de 9 anos, e a mais nova, Isabella, de 2 anos, filha de Nathália Silva, de 30. “Morei numa pousada, paga pela Vale. Agora já saiu a minha casa.”

Evangélicos

Primeiro nome na lista de buscas, Angelita Assis, de 37 anos, deixou dois filhos: Sávio, de 15, e Samuel, de 13 anos. O pai dos meninos, Evanir Assis, de 40 anos, corretor de imóveis, ex-funcionário da Vale, onde trabalhou por 18 anos, evangélico da Igreja Batista Nacional Ebenezer, busca conforto na religião. É o autor da faixa exposta na cidade onde se lê: “Senhor, em ti me refugio até que passe a calamidade. Salmo 57, 1”. / COLABOROU FELIPE RESK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Depoimento: ‘Fica a saudade da presença e a gratidão’

O padre Raphael E. do Carmo, que mora em Roma, perdeu um amigo no desmoronamento da mina do Córrego do Feijão

Pablo Pereira, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2019 | 16h00

BRUMADINHO - Leia o depoimento do padre Raphael E. do Carmo, que mora em Roma, e foi parceiro de jogos de futebol do engenheiro Alexis Adriano da Silva, da Vale, que morreu no desmoronamento da mina do Córrego do Feijão, e do pai dele, José Maria da Silva, hoje com a tarefa de criar os dois filhos da vítima.

“Conheci o Alexis, seus filhos e Zé Maria, seu pai, em uma turma que se reúne semanalmente pra jogar futebol. Alexis sempre muito bem humorado, zeloso com as crianças e mostrava um grande amor pelo pai. Às vezes tínhamos oportunidade de conversar por mais tempo e entre estas, algumas partilhas da vida aconteciam. Ele sempre se mostrou preocupado com o bem-estar dos filhos, dizia querer dar o melhor possível para eles. Estou agora morando fora do País, em Roma, acompanhei todo o ocorrido de longe, pelos meios de comunicação e como foi doloroso saber que um rapaz jovem, pai de família, cheio de sonhos e projetos, teve sua passagem de maneira trágica.

É doloroso ver o pai e a mãe que perdem o filho, invertendo a ordem natural da vida, é doloroso ver os amigos que perdem o companheiro de todas as horas, mas de maneira especial é muito cruel ver os filhos que não terão a companhia física do pai. Tal ausência será aliviada pela presença do avô, Zé Maria, grande homem, que foi exemplo para Alexis e agora não se furtará a oferecer-se como suporte aos netos. Para nós cristãos, a vida não acaba, pois todo batizado é inserido como membro do Corpo de Cristo, a Igreja, e se Cristo Ressuscitou, a morte já não tem poder sobre Ele.

Também nós, como membros do Corpo de Cristo, não estamos sujeitos à morte eterna, mas saímos desta vida para entrar na eternidade da casa do Pai. É nossa fé que nutre na esperança. É nesta fé que nos apoiamos sabendo que Alexis, junto do Pai, nos aguarda para a festa eterna. Para nós fica a saudade de sua presença e a gratidão por tudo o que vivemos juntos. Fica também a grande lição que deve ser aprendida: a vida humana não pode ser objeto de negociação, é valor absoluto. 

O cuidado para com esta dádiva é um imperativo. Deste modo, que os responsáveis por este grande crime sejam exemplarmente punidos, que o sofrimento dos que sobreviveram seja mitigado, e quanto a nós, nos consolemos uns aos outros até que nos encontremos na casa do Pai.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Na Justiça do Trabalho de MG, acordo prevê indenizações

Justiça já determinou, no dia 27 de junho, o bloqueio de pelo menos R$ 1,6 bilhão, valor que foi reservado para a cobertura de verbas indenizatórias

Pablo Pereira, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2019 | 16h25

BRUMADINHO - Na Justiça Trabalhista de Minas, o caso da Mina do Feijão virou o Processo 0010080-15.2019.5.03.0142 e a Justiça já determinou, no dia 27 de junho, o bloqueio de pelo menos R$ 1,6 bilhão, valor que foi reservado para a cobertura de verbas indenizatórias. São 242 vítimas ligadas às empresas (Vale e terceirizadas), esclarece o procurador Geraldo Emediato de Souza, coordenador da equipe de cinco integrantes do Ministério Público do Trabalho (MPT) para o caso.

Souza explica que as ações pedem pensão vitalícia com os rendimentos correspondentes até os 78 anos de cada trabalhador vítima do desmoronamento da barragem, indenização por danos no valor de R$ 5 milhões por grupo familiar, além de indenização por dano moral coletivo no valor total de R$ 2 bilhões.

Emediato de Souza lembra que a Justiça determinou o bloqueio e acredita que, pela natureza da tragédia, a ação judicial não deverá se prolongar, sendo julgada no mês de agosto.

“Espero que no dia 19 de agosto a juíza do caso encerre a ação”, explica. Ele conta que há repercussões dramáticas da tragédia nas famílias. “Dias atrás, o pai de um trabalhador falecido sofreu um enfarte. Precisa de internação”, lembra o procurador. Para ele, são casos igados ao sofrimento das famílias em razão da tragédia.

Acordo

No último dia 15, a Vale assinou um acordo com o MPT, homologado na 5.ª Vara do Trabalho de Betim, que prevê reparações individuais no valor de R$ 700 mil para cônjuges, filhos e pais. Segundo o acordo firmado, um trabalhador que deixou mulher, dois filhos, pai, mãe e dois irmãos deverá receber o montante de R$ 3,8 milhões. 

Dependentes das vítimas receberão, como dano material, uma pensão mensal vitalícia até a idade de 75 anos. A indenização por danos morais coletivos, de R$ 400 milhões, deve ser paga no dia 6 de agosto, informa o acordo judicial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.