Após 72 horas, presos rebelados libertam reféns em Maceió

Os quatro integrantes da Pastoral Carcerária e da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados, que estavam sendo mantidos reféns pelos detentos rebelados no presídio Baldomero Cavalcanti, na periferia de Maceió, foram liberados na noite desta terça-feira, 3. Ao todo cerca de 60 presos participaram da rebelião, que começou na tarde de sábado, 30, e durou mais de 72 horas.Os reféns foram obrigados a manter a cabeça coberta com camisetas para não serem reconhecidos.Dênisson Mendonça Dantas, Gildo Melo, Fernando Teles e Bartolomeu Bueno foram libertados por volta das 19 horas. Eles receberam atendimento médico no porta do presídio. Um dos reféns estava ferido na perda.Após a liberação dos reféns, o secretário estadual de Defesa Social, coronel PM Ronaldo dos Santos, disse que a situação estava sob controle. Um quinto refém, Francisco Torres, foi liberado na segunda-feira, 2, para levar às reivindicações dos presos rebelados ao governador de Alagoas, Luis Abílio (PDT). Os presos exigiam saída de diretores do sistema prisional e do secretário estadual de Ressocialização, coronel PM Aurélio Rosendo, mas o governador não atendeu a reivindicação. Abílio disse que atenderia as outras solicitações, como revisão de penas, mas não cederia às pressões para demitir ninguém. Os detentos também denunciaram maus-tratos e exigiram o fim das revistas feitas pelos integrantes do Grupo de Ações Penitenciárias (GAP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.