Após 8 horas, presidente da Funai é liberado

O presidente da Funai, Márcio Augusto Freitas de Meira, e nove servidores do órgão ficaram retidos durante oito horas - até a madrugada de ontem - pelos guaranis da aldeia da Estiva, em Viamão (RS). Os índios alegaram que queriam apresentar suas reivindicações ao governo federal.

ELDER OGLIARI / PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2011 | 03h05

Em uma carta divulgada pela internet, os guaranis afirmaram que não se tratava de um ato de violência, "mas de um ato de repúdio com o qual pretendemos dar visibilidade à gravíssima condição social em que vivemos no Brasil".

Pelo acordo firmado, uma comissão com representantes de dez aldeias guaranis do Sul viajará a Brasília nos próximos dias para apresentar suas demandas à presidência da Funai e a um procurador da República.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.