Divulgação/Polícia Civil
Divulgação/Polícia Civil

Após 8 meses longe de casa, cão roubado volta aos donos

Pandora foi encontrada pela polícia na casa de parentes de criminosos investigados, em Gravataí (RS)

LUCAS AZEVEDO, Especial para O Estado

20 Julho 2017 | 18h33

PORTO ALEGRE - Depois de oito meses longe de casa, um cachorro roubado no ano passado na região metropolitana de Porto Alegre voltou ao colo dos donos. A fêmea Pandora, da raça Pug, foi encontrada pela polícia nessa quarta-feira, 19, em Gravataí, cidade vizinha a Cachoeirinha, onde seus donos residem.

A cadela foi levada da residência, no bairro Chácara das Pedras, em dezembro, quando bandidos armados invadiram o local. Além do animal, objetos de valor acabaram nas mãos dos criminosos. 

Desde então, uma campanha para encontrar Pandora foi iniciada nas redes sociais. Seus donos chegaram a oferecer uma recompensa de R$ 1 mil para quem trouxesse o cão de volta. Mas nenhuma pista significante chegou ao seu conhecimento. 

Foi então que, durante cumprimento de mandados de busca e apreensão na cidade vizinha de Gravataí, agentes da 1ª Delegacia de Polícia de Cachoeirinha encontraram alguns cães de raça na casa de parentes dos suspeitos investigados. A quadrilha era especializada em roubos a residências.

Os animais foram levados à delegacia e, os donos, contatados. No caso de Pandora, porém, nenhum proprietário acionado pela polícia reconhecia a cadela como sendo sua. Foi então que os agentes sob o comando do delegado Gustavo Brentano iniciaram uma busca pela internet, até localizarem a página "Encontre a Pandora", no Facebook, que contém diversas mensagens de ajuda escritas pelos donos e fotos de Pandora.

Na manhã desta quinta-feira, Pandora voltou para casa. Segundo Brentano, o animal foi reconhecido de imediato pelos donos. O cão parecia estar bem cuidado - mas um pouco sujo - durante o tempo em que ficou longe. A reportagem tentou contato com os proprietários de Pandora, mas ninguém retornou as ligações. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.