Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Após agressão a cães, pet shop amanhece fechado

Placa anuncia que o imóvel em Engenho de Dentro, na zona norte do Rio de Janeiro, está disponível para ser alugado

Antonio Pita - O Estado de S. Paulo,

19 Outubro 2012 | 18h09

RIO DE JANEIRO - Um dia após a divulgação das imagens de cães sendo maltratados em um pet shop de Engenho de Dentro, na zona norte do Rio, o estabelecimento amanheceu fechado nesta sexta-feira, 19. A prefeitura cancelou provisoriamente o alvará de funcionamento da loja e o dono do prédio cancelou o contrato de aluguel. Uma placa anuncia que o imóvel está disponível para ser alugado. Vizinhos contaram que clientes tentaram invadir e pichar a loja durante a madrugada. Uma viatura da PM permaneceu nas imediações durante toda a manhã de quinta-feira, 18.

Segundo o filho do dono do imóvel, Fabiano da Costa, de 35 anos, o espaço era alugado há cerca de três anos pela dona do pet shop, Solange Barroso, e ela era solícita e carinhosa com os animais. "Rescindimos o contrato por conta da ação penal que eles vão responder. Não concordamos com maus tratos a animais." Ele permaneceu na loja durante a madrugada para impedir depredações ao imóvel.

Um vídeo produzido por um ex-funcionário do pet shop e divulgado na quinta pela TV Globo mostrou o filho da proprietária, Daniel Barroso, dando socos em quatro animais. Ele também batia nos cães com garrafas e amarrava o focinho dos animais durante o banho.

Nesta manhã, mais uma cliente da loja prestou queixa na 26ª DP por maus tratos ao seu cachorro. Foi a quarta denúncia. Quem maltrata animais está sujeito a pena de três meses a um ano de prisão. A dona da loja, que é mãe do agressor e afirmou desconhecer a conduta do filho, também pode ser indiciada. Ela e o filho vão prestar depoimento, em data ainda indefinida.

A dona de um cão agredido está em estado de choque. Vizinha do pet shop, a professora Priscila Santos, de 32 anos, diz que costumava levar sua poodle para tosar no estabelecimento. "Fiquei chocada com a notícia. Nunca percebi nada de estranho nela, mas não dá para confiar mais. Isso deve acontecer em todo pet shop."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.