Após apagão, Bahia e Alagoas sofrem com falta de água

Desabastecimento afeta praticamente todos os bairros de Maceió, além do litoral baiano

Ricardo Rodrigues e Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

04 de fevereiro de 2011 | 14h27

SALVADOR E MACEIÓ - O apagão elétrico que atingiu oito Estados do Nordeste entre o final da noite de ontem e a madrugada de hoje provoca problemas no trânsito e no abastecimento de água em Alagoas. Praticamente todos os bairros de Maceió registraram falta de água na manhã desta sexta-feira, 4.

 

Veja também:

link'Não temos causa definitiva do apagão', diz Lobão

linkFalha em subestação de PE causou apagão, diz Chesf

 

Em algumas das mais conhecidas praias do litoral norte baiano, como Arembepe, a população e os turistas também enfrentam problemas de abastecimento de água desde o fim da noite de ontem. Segundo a Empresa Baiana de Água e Saneamento (Embasa), por causa do apagão, o sistema de bombeamento que leva água à região foi interrompido, mas já voltou a funcionar. A situação deve voltar ao normal até o fim da tarde.

 

Em Alagoas, a pane no sistema elétrico danificou equipamentos da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal), paralisando estações elevatórias, de tratamento e sistemas de distribuição de água. Em Maceió, todos os sistemas de abastecimento foram afetados.

 

O sistema Catolé-Cardoso, que abastece praticamente toda parte alta da capital, mesmo com a energia restabelecida ainda não pode retornar à operação porque houve danos em seus equipamentos elétricos. Técnicos da Casal estão trabalhando na recuperação, mas ainda não há previsão de quando o serviço seja concluído.

 

Mais prejuízos. Maior complexo industrial integrado do hemisfério sul, o Pólo Industrial de Camaçari está paralisado. As atividades nas 90 empresas da área só devem voltar à normalidade em cinco dias, segundo o presidente do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic), Manoel Carnaúba.

 

De acordo com ele, não houve acidentes relacionados à queda de fornecimento de energia, por causa dos sistemas de emergência instalados nas indústrias, mas a cadeia produtiva foi comprometida pela longa interrupção do fornecimento de suprimentos, como gases e vapor, às máquinas.

Tudo o que sabemos sobre:
apagãonordeste

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.