Após assalto a turistas, PM admite falha no policiamento

Horas depois do assalto a um grupo de turistas alemães e croatas na saída da Linha Vermelha, na madrugada desta quinta-feira, no Rio de Janeiro, o comandante da Polícia Militar, coronel Ubiratan Ângelo, reconheceu que o policiamento falhou. "Se isso aconteceu, é porque houve falha, ou no planejamento ou na execução. A vítima não quer explicações", afirmou o coronel, que foi à Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat) encontrar os visitantes, que prestaram queixa.Os turistas tinham acabado de desembarcar no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro e seguiam para um hotel na zona sul. O carro em que eles estavam foi interceptado por ao menos quatro homens fortemente armados. Os ladrões levaram dinheiro, documentos, máquinas fotográficas, jóias e outros objetos pessoais. O guia de turismo que os acompanhava e o motorista também foram assaltados; os ladrões conseguiram fugir.O coronel Ubiratan Ângelo disse ainda que irá remodelar o policiamento na saída do aeroporto Tom Jobim e que a chegada dos vôos noturnos será monitorada. Falta de segurança Pela manhã, dois dos seis turistas assaltados no Rio de Janeiro reclamaram da falta de policiamento na Linha Vermelha. Um alemão e um austríaco deram entrevista na saída da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat), no Leblon, zona sul da cidade.A van que os transportava do Aeroporto Internacional para a zona sul foi abordada na via expressa por um grupo de homens armados. "Esse problema já é conhecido, então deveriam colocar mais policiais no caminho do aeroporto", afirmou o austríaco, que não quis se identificar.O novo secretário estadual de Turismo do Rio, Eduardo Paes, disse que os turistas serão recompensados com passeios pela cidade oferecidos pelo governo do Estado do Rio. Segundo Paes, é preciso convencê-los de que vale a pena permanecer na cidade.O secretário disse que um representante da agência de viagens que acompanha o grupo comentou que alguns dos turistas demonstraram querer ir embora. Eduardo Paes esteve na Deat para encontrar os turistas, mas eles já tinham ido embora.Na manhã de sexta-feira, Paes planeja passar pelos hotéis onde os visitantes estão hospedados para apresentar um pedido formal de desculpas do governo do Estado. Os turistas tinham acabado de desembarcar no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro e seguiam para um hotel na zona sul. O carro em que eles estavam foi interceptado por ao menos quatro homens fortemente armados. Os ladrões levaram dinheiro, documentos, máquinas fotográficas, jóias e outros objetos pessoais.Matéria alterada às 16horas para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.