Após ataques, paulistano tem manhã de terça-feira normal

Após uma segunda-feira em que foram registrados 22 ataques a ônibus em toda a cidade de São Paulo, na terceira onda de violência atribuída à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) no Estado de São Paulo, a manhã de terça-feira, 8, foi normal na capital paulista. Segundo a São Paulo Transportes (SPTrans), todas as empresas de ônibus e os terminais funcionam normalmente e não houve mais ataques a veículos. Foram 78 atentados atribuídos ao Primeiro Comando da Capital (PCC) na Grande São Paulo e em pelo menos cinco cidades do interior. Os prédios do Ministério Público e da Secretaria da Fazenda tiveram as entradas destruídas por bombas. Além de bases da polícia, sofreram ataques 22 ônibus, 34 bancos e 12 postos de gasolina. As cooperativas de vans Transcooper, na zona oeste, e Nova Aliança, na zona norte, que chegaram a recolher os ônibus durante a segunda-feira, voltaram a circular. A Transcooper recolocou os coletivos nas ruas às 4h30 e a Nova Aliança, às 7 da manhã. De acordo com a São Paulo Transportes (SPTrans), ambas circulam com 100% da frota.Outras três cooperativas das zonas leste e noroeste da capital, People, Associação Paulistana e Cooper Alfa, que também chegaram a recolher os veículos na segunda, operam normalmente. A decisão de manter os veículos nas garagens na segunda foi tomada gradualmente pelas cooperativas, depois de um suposto manuscrito do PCC ter sido jogado no Terminal Cachoeirinha, zona norte. A ordem era para que ônibus e lotações deixassem de circular, sob pena de motoristas, cobradores e fiscais serem mortos.Prédios do MPE e da Secretaria da FazendaO Ministério Público Estadual (MPE) na Rua Riachuelo e a Secretaria Estadual da Fazenda, na Rua Rangel Pestana, no centro de São Paulo, também funcionam normalmente nesta terça. Os dois prédios foram alvos de ataques na madrugada de segunda-feira e tiveram suas portas principais destruídas por bombas de fabricação caseira. Mas, de acordo com as assessorias de ambas, desde a segunda o atendimento não sofreu nenhum tipo de interrupção, pois apesar dos estragos, a estrutura dos prédios não ficou comprometida.TrânsitoApesar do clima de tranqüilidade na capital, o congestionamento está alto na cidade. De acordo com medição da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), às 11h30 desta terça-feira, 8, foram registrados 62 quilômetros de lentidão, bem superior à média registrada na semana passada, de 20 km.Os piores pontos estão na Marginal do Tietê, sentido Ayrton Senna, na pista expressa, da Ponte Freguesia do Ó até a Rua Azurita com 7,7 quilômetros. No sentido Castelo Branco, também na pista expressa há 4 quilômetros de congestionamento após a Ponte Aricanduva até a Ponte Vila Maria . De acordo com a CET, o excesso de veículos causa a lentidão e não há nenhum registro de acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.