Após caos, Morro da Mineira tem manhã calma nesta quarta

Após um dia de intenso conflito, quando 19 pessoas morreram, o Morro da Mineira, na região central do Rio de Janeiro, tinha situação tranqüila na manhã desta quarta-feira, 18. Os policias ocupam o morro por tempo indeterminado, mas as entradas para o local permanecem calmas nesta quarta. De acordo com informações do jornal Estado desta quarta, o Serviço Reservado da Polícia Militar sabia de uma possível tentativa de invasão desde fevereiro, quando a facção Amigos dos Amigos (ADA), que comanda o Morro da Mineira, tomou do Comando Vermelho, uma facção rival, pontos de drogas no local. Na terça, cerca de 50 homens armados das Favelas do Juramento, Alemão, Mangueira, e Fallet, dominadas pelo CV, invadiram a Mineira, para retomar os pontos de drogas. Rechaçados pelos rivais, nove invasores morreram. O restante tentou fugir pelo Cemitério do Catumbi e quatro foram mortos pela polícia já nas ruas e outros 11 foram interceptados por investigadores. O tiroteio gerou caos e esvaziou as ruas do Catumbi, impediu sepultamentos e velórios no cemitério do bairro e parou o trânsito perto do Túnel Santa Bárbara, ligação entre o centro e a zona sul do Rio. Apesar de saber de uma possível invasão, o secretário da Segurança, José Mariano Beltrame, reconheceu que a polícia não detectou a movimentação dos bandidos a tempo. ?O problema é que não podemos deslocar forças sem informação completa. O CV é uma facção muito grande. É difícil saber onde vai agir.? A guerra entre os traficantes começou por volta das 4 horas, mas a tropa de elite da PM só chegou às 7h30. Começou então um violento tiroteio no asfalto, entre policiais e traficantes - uns atirando do alto do morro e outros tentando escapar pelo cemitério. Houve três vítimas de balas perdidas: Jorge Henrique Cruz dos Santos foi atingido por um tiro de fuzil de raspão na cabeça, dentro de um ônibus. ?As pessoas se abaixaram, eu virei de lado e a bala passou. Se não, tinha entrado na cabeça.? Atingido no tórax , Diego Lima, de 22 anos, passou por uma cirurgia. O feirante Reginaldo da Silva, de 37, baleado na barriga, não corre risco de vida. Horas antes, seis traficantes da Favela do Rebu, zona oeste, morreram em troca de tiros com PMs. O tiroteio começou por volta das 23 horas de segunda-feira, quando os criminosos saíram do Rebu para praticar crimes na região. Eles estavam em um carro roubado. O governador Sérgio Cabral parabenizou a polícia pela ação no centro. ?A ação foi muito competente. Não desejamos que aconteçam vítimas, mas isso é normal da operação.? Cabral disse que não empregaria o Exército - ele já pediu à União o envio de tropas - numa situação crítica como a de ontem, mas no patrulhamento de ruas. ?As Forças Armadas não são para esse tipo de operação.?

Agencia Estado,

18 Abril 2007 | 10h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.