Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Após caso de estupro coletivo, Temer promete criar delegacia da mulher na PF

Em nota, presidente em exercício disse que o governo está mobilizado para 'punir com rigor os autores do estupro' coletivo da menina de 16 anos no Rio

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

27 Maio 2016 | 12h19

BRASÍLIA - O presidente em exercício, Michel Temer, divulgou nota nesta sexta-feira, 27, em que repudia "com a mais absoluta veemência o estupro da adolescente no Rio de Janeiro". Temer prometeu ainda criar um departamento na Polícia Federal para combater a violência contra a mulher. 

"Vamos criar um departamento na Polícia Federal tal como fiz com a delegacia da mulher na Secretaria de Segurança Pública do governo Montoro, em São Paulo. Ela vai agrupar informações estaduais e coordenar ações em todo País", disse Temer. Na reforma ministerial, o presidente em exercício extinguiu o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.

Temer confirmou que o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, já convocou reunião com os secretários de segurança pública de todo País, para a próxima nesta terça-feira.

"É um absurdo que em pleno século 21 tenhamos que conviver com crimes bárbaros como esse", escreveu Temer.  O caso do estupro coletivo da jovem de 16 anos gerou revolta nas redes sociais depois que um dos agressores divulgou um vídeo com imagens da menina. 

O presidente em exercício disse ainda que o governo está mobilizado, juntamente com a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, "para apurar as responsabilidades e punir com rigor os autores do estupro e da divulgação do ato criminoso nas redes sociais".

Depois de um dia de silêncio, o primeiro a se manifestar sobre o caso no governo foi o ministro da Justiça, que mais cedo, divulgou nota informando sobre a reunião e também repudiando o ato criminosos. "O estupro representa a maior violência à dignidade da mulher e deve ser duramente reprimido", afirmou Moraes. 

Segundo interlocutores do presidente, Temer estuda antecipar o seu retorno a Brasília. Na quarta-feira, ele embarcou para São Paulo para encontrar a família e passar o feriado prolongado. Para evitar que novos protestos acontecessem na porta de sua casa na capital paulista e atendendo a um pedido da família, Temer escolheu um "refúgio" e o local de seu descanso não foi divulgado. 

Presidente afastada. Ontem, a presidente afastada, Dilma Rousseff, já havia manifestado solidariedade à jovem de 16 anos estuprada por vários homens no Rio de Janeiro. Em sua página no Facebook, Dilma classificou o ato dos 33 agressores de "barbárie". "Mais uma vez reafirmo meu repúdio à violência contra as mulheres. Precisamos combater, denunciar e punir este crime. É inaceitável que crimes como esse continuem a acontecer. Repito, devemos identificar e punir os responsáveis", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.