Após ciclone, 4 cidades decretam estado de emergência em SC

No Rio Grande do Sul, duas pessoas morreram e mais de 25 mil estão desabrigadas

Fabiana Marchezi e Ricardo Valota, estadao.com.br

04 de maio de 2008 | 11h54

Os municípios de Ermo, Jacinto Machado, Paulo Lopes e Arroio Silva, no Estado de Santa Catarina, estão em situação de emergência por conta do temporal que atingiu o Estado na madrugada deste domingo, 4, conforme informações do Departamento Estadual de Defesa Civil do Estado. Na última sexta-feira, 2, um ciclone  extratropical atingiu o Sul do país deixando dois mortos e mais de 25 mil desabrigados.  VEJA TAMBÉM Alagamentos e deslizamentos bloqueiam estradas no RSVentos ainda podem chegar a 72 km/h no litoral do RS e SCCiclone mata mais de 300 e causa destruição em Mianmar Arte/AE Ainda segundo a Defesa Civil, a cidade catarinense mais atingida é Ermo, onde 40 famílias estão desabrigadas e foram encaminhadas ao prédio da prefeitura. Em Jacinto Machado, algumas famílias estão desalojadas e foram levadas a casas de parentes. Já os moradores dos outros dois municípios afetados sofrem com os alagamentos, as inundações e a destruição causados pelas chuvas, mas não há desabrigados nem desalojados. Outras 27 cidades foram atingidas no Estado, porém a situação delas é um pouco menos caótica. No Rio Grande do Sul, o Estado mais prejudicado, duas pessoas morreram e mais de 25 mil estão desabrigadas, de acordo com a Defesa Civil estadual. O município de Guaíba é um dos mais atingidos, apesar de a Defesa Civil não informar quantas pessoas foram afetadas. Já em Porto Alegre, mais de 1,5 mil pessoas estão desalojadas e foram acolhidas na casa de parentes e amigos. Cerca de 350 pessoas foram encaminhadas a abrigos da prefeitura. Contudo, segundo a Defesa Civil, ainda não há cidades em situação de emergência. No litoral do Estado, os municípios de Santo Antônio da Patrulha, Caraá e Itati são os mais afetados. Na zona sul Restinga, Belém Novo, Belém Velho, Ponta Grossa e Lami, foram os bairros mais prejudicados. Já na zona norte, Sarandi e o Porto Seco são os bairros mais atingidos. Divisa entre SC e RS O ciclone extratropical que, desde a última sexta-feira atinge a região sul do país, nesta madrugada de domingo, 4, está concentrado entre o norte gaúcho e o sul catarinense. A chuva provoca o aumento no nível da maioria dos rios e, conseqüentemente, o transbordamento. Na cidade de Ermo, no extremo sul de Santa Catarina, o rio subiu mais de 1,5 metro, deixando muitos moradores ilhados. As vítimas estão sendo resgatadas de barco e encaminhadas para abrigos improvisados. Houve também transbordamento dos rios Araranguá e Mampituba, na divisa entre os dois estados, afetando as cidades catarinenses de Praia Grande, Morro Grande e Araranguá. As cidades de Turvo, Sombrio e Jacinto Machado também correm o risco de, nas próximas horas, terem parte da população ilhada. Na região norte gaúcha, houve transbordamento também dos rios Morrinhos e Três Forquilhas. Os bombeiros trabalham desde às 17 horas de sábado no auxílio às pessoas desabrigadas nas cidades de Mampituba, Morrinhos do Sul, Três Forquilhas e Maquiné. Segundo os bombeiros, cerca de 100 pessoas já foram retiradas das casas das cidades afetadas, mas cerca de mil famílias ainda continuam em situações de risco e podem ser obrigadas a deixar as casas. Ventos fortes  Apesar do mau tempo, na segunda-feira, 5, no entanto, o mau tempo deve dar uma trégua, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O ciclone que atingiu o sul do país nesse final de semana teve ventos de até 100 km/h e deixou 22.500 pessoas desabrigadas no Rio Grande do Sul. Pelo menos uma pessoa morreu no Estado, apesar de o ocorrido ainda não constar nos registros da Defesa Civil gaúcha.  

Tudo o que sabemos sobre:
meteorologiaciclone extratropical

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.