Após comemoração, PSDB pede demissão de Marco Aurélio Garcia

Assessor da presidência comemora notícia sobre causa de acidente e oposição endurece críticas

Eugênia Lopes, do Estadão,

20 Julho 2007 | 12h30

O líder do PSDB na Câmara, deputado Antonio Carlos Pannunzio (SP), divulgou nota oficial na manhã desta sexta-feira, 20, defendendo a demissão de Marco Aurélio Garcia, assessor especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Garcia fez gestos obscenos para comemorar a notícia de que uma das possíveis causas do acidente com o Airbus da TAM, em que morreram cerca de 190 pessoas, teria sido um defeito em um dos freios do avião e não a falta de solução governamental para a crise aérea.   O que você acha da atitude de assessores de Lula? Lista de vítimas do acidente do vôo 3054  O local do acidente  Quem são as vítimas do vôo 3054  Histórias das vítimas do acidente da TAM  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Acidentes em Congonhas  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054      Também o presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissatti (CE), divulgou nota de indignação contra a atitude de Garcia, flagrado na comemoração com outro funcionário do governo. "Os gestos obscenos foram a primeira manifestação pública do governo do presidente Lula a respeito da tragédia que enlutou não só as famílias do mortos, mas todos os brasileiros cidadãos honestos e que têm dignidade e sentimentos (à exceção, parece, pelo comportamento de Marco Aurélio, de alguns habitantes eventuais do Palácio do Planalto)", diz a nota.   "Não há desculpa que justifique a cena. Não há atitude que redima o desrespeito com uma nação inteira. Demissão imediata do ministro é o mínimo que o presidente Lula pode fazer para mostrar que ainda temos governo", acrescenta.   A nota de Jereissatti afirma que Garcia e o outro servidor foram "flagrados em explícita cena de regozijo com reportagem que anunciava defeito mecânico na aeronave que vitimou quase duas centenas de brasileiros", e completa: "O menosprezo ao drama das famílias e a falta de sensibilidade demonstrada repetidamente por membros do governo federal reclamam imediata e enérgica atitude do senhor presidente da República, ao menos exigindo uma pública declaração de desculpas ao povo brasileiro, especialmente aos familiares das vítimas."   Pannunzio, em sua nota, diz que, "desde os casos Waldomiro Diniz, mensalão, sanguessugas, aloprados e lambaris ingênuos que comem tubarões, o País já conhecia o jeito lulo-petista de governar."   Agora, no entender do líder do PSDB, "a obscenidade do Marco Aurélio Garcia escancara, numa janela que dá frente para os Poderes Legislativo e Judiciário, na praça onde o povo brasileiro já comemorou tantas vitórias, todo o seu despreparo pessoal que o desqualifica como homem público e resume o comportamento do governo comandado pelo presidente Lula."   Íntegra da nota oficial do PSDB:   O Partido da Social Democracia Brasileira - PSDB vem a público manifestar sua indignação com a atitude de auxiliares da Presidência da República, flagrados em explícita cena de regozijo com reportagem que anunciava defeito mecânico na aeronave que vitimou quase duas centenas de brasileiros.   Atitudes dessa natureza são inaceitáveis e ofendem a toda a população brasileira, ainda consternada com a maior tragédia da aviação nacional.   Independentemente da participação das autoridades governamentais, especialmente daquelas responsáveis pela fiscalização de aeronaves e segurança da aviação, que ainda serão devidamente apuradas, o menosprezo ao drama das famílias e a falta de sensibilidade demonstrada repetidamente por membros do governo federal reclamam uma imediata e enérgica atitude do senhor presidente da república, ao menos exigindo uma pública declaração de desculpas ao povo brasileiro, especialmente aos familiares das vítimas de mais esta catástrofe.   Brasília, 20 de julho de 2007

Mais conteúdo sobre:
crise aérea vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.