Após críticas ao Banco Central, Serra muda tom e adota estilo ''paz e amor''

Tucano alivia o discurso para não assustar o mercado e passa a defender harmonia entre Fazenda e BC

Patrícia Campos Mello, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2010 | 00h00

Em seu programa de governo, que foi vazado para a imprensa a dois dias da eleição, o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, abandona seu tom mais combativo nas críticas à política econômica e adota um estilo "paz e amor". Serra faz apenas breves menções à taxa de juros e câmbio, e nem menciona a "necessária coordenação" entre Ministério da Fazenda e Banco Central, já pregada pelo tucano.

"O governo atual, em vez de reforçar as bases do crescimento do País, preferiu hipotecar o futuro à comodidade do presente. Manteve juros desnecessariamente elevados e câmbio excepcionalmente apreciado, para alegria dos especuladores e sofrimento da indústria e da agricultura nacionais", diz o texto. Na hora de receitar medidas para lidar com o problema cambial e de juros, o documento afirma: "Será essencial regular a dosagem entre as políticas monetária, cambial e fiscal, de forma a assegurar a competitividade da produção nacional e as condições de crescimento sustentado da economia."

O tom mais cauteloso não foi adotado por acaso. Nos últimos tempos, aliados de Serra vêm indicando a interlocutores que o tucano não usaria medidas voluntaristas ou bruscas para reduzir juros ou desvalorizar o real, possibilidade que inquieta o mercado financeiro.

No início da campanha, Serra chegou a dizer que o Banco Central não era Santa Sé e aventava a hipótese de ter um modelo mais parecido com o chileno, no qual o Ministério da Fazenda é consultado sobre a atuação do BC. Em sabatina no Estado no início de setembro, o candidato disse que o Brasil estava em franco processo de desindustrialização por causa do câmbio sobrevalorizado, que estimula a expansão das importações de bens industrializados para sustentar a demanda interna. "O câmbio no Brasil é flutuante? É uma ova. Só flutua para baixo, não flutua para cima. Na hora que flutua para cima, aumenta o juro", disse. Em uma entrevista que faz parte do livro Retrato de Grupo, 40 anos do Cebrap, de Flávio Moura e Paula Montero, publicado este ano, ele dispara: "Em nenhum dos preceitos do Consenso de Washington figura a ideia de que para desenvolver o país você precisa megavalorizar a moeda. Isso é simplesmente um erro, não é ortodoxo nem heterodoxo", diz Serra. Esse tipo de declaração, música para os ouvidos da indústria, causava arrepios no mercado.

"Harmonia". Serra passou a afirmar apenas que seria necessária uma maior "harmonia" entre as políticas do BC e da Fazenda, para que o Brasil não tivesse as taxas de juros mais altas do mundo e um câmbio que prejudica a indústria nacional e a exportação. "O ponto de partida é ter uma equipe harmônica. Banco Central, Planejamento e Fazenda atuarem planejada e integradamente. Conjuntamente. Com isso, você pode fazer mudanças graduais seguras de política econômica que favoreçam mais a produção e a geração de empregos no Brasil. Inclusive, as nossas exportações", disse no dia 20 de outubro, em entrevista a uma rádio carioca. Sua equipe também prega ajustes finos na atuação do Banco Central em relação ao mercado cambial. Diretor executivo da Fundap e próximo de Serra, Geraldo Biasoto acha que as ações do BC para conter a valorização do real são muito previsíveis e a instituição deveria valer-se mais do elemento surpresa.

Na área de política fiscal, Serra inspira confiança - ele é percebido pelo mercado financeiro como o mais comprometido com o controle dos gastos do governo, que dispararam nos últimos anos do mandato de Lula. Em seu programa, a campanha diz que "o aumento dos gastos públicos concentrou-se nas despesas correntes, em detrimento dos investimentos" e promete "aumentar a taxa de investimentos públicos, dobrando as inversões produtivas até 2014", além de "combater o desperdício na aplicação do gasto público, valorizando a atuação do Tribunal de Contas da União".

Mas suas promessas de expansão de programas sociais, com reajuste de 10% nas aposentadorias acima do mínimo, salário mínimo de R$ 600 em 2011 e 13.º para o Bolsa-Família prejudicaram um pouco suas credenciais de austeridade fiscal. Mansueto Almeida, economista Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), aponta que a maioria do aumento dos gastos públicos provém da Previdência e dos programas sociais, diretamente ligados ao salário mínimo. Portanto, cortar desperdícios, reduzir ineficiências, mas continuar aumentando o salário mínimo e não reformar a Previdência, não vai resolver o problema fiscal.

Indústria. A valorização do real e seus efeitos sobre a indústria são grande preocupação do candidato. Geraldo Biasoto afirma que a valorização do câmbio e o alto custo da infraestrutura estão levando a um processo drástico de desindustrialização no Brasil. A solução, diz Biasoto, não é fazer uma maxidesvalorização. "Mas precisamos ter uma queda dos juros, que vai calibrar o câmbio", disse Biasoto. Sem usar a palavra, o programa de governo de Serra cita a desindustrialização do Brasil e propõe, no item sobre política industrial, eliminar impostos que ainda incidem sobre exportações.

O candidato também manifesta preocupação com a chamada primarização da pauta - a tendência de o Brasil exportar cada vez mais commodities, em detrimento de industrializados.

A equipe de Serra é contundente nas críticas aos rumos do BNDES no governo Lula. "Os juros subsidiados pelo BNDES vão gerar uma conta de US$ 8 bilhões a US$ 14 bilhões de subsídio por ano - é uma Bolsa-Família para os ricos", disse Biasoto, em entrevista ao Estado em agosto. "A Petrobrás é uma das maiores empresas do mundo e a Vale também, elas teriam crédito onde quisessem, não precisariam do BNDES." Biasoto afirma que o BNDES deveria financiar máquinas e capacidade produtiva, e não mudança patrimonial.

PONTOS-CHAVE

Geraldo Biasoto

Diretor executivo da Fundap, ele sustenta que as ações do Banco Central para conter a valorização do real são muito previsíveis e a instituição deveria valorizar a surpresa

Cautela

Sem detalhar as medidas para lidar com juros e questão cambial, programa de governo diz que é essencial regular a dosagem entre políticas monetária, cambial e fiscal

Promessa

2014

é o ano para o qual o programa de Serra prevê ter aumentado a taxa de investimentos públicos, dobrando as inversões produtivas

Exportações

Programa de governo tucano cita a desindustrialização do País e, no item sobre política industrial, propõe eliminar alguns impostos que incidem sobre exportações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.