Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Após determinação do STJ, João de Deus é transferido para hospital

Médium deve ficar internado por ao menos quatro semanas para tratar aneurisma; réu por estupro de vulnerável e violação, terá escolta ou tornozeleira eletrônica

Agência Brasil, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2019 | 20h12

O médium João de Deus foi transferido nesta sexta-feira, 22, para o Instituto de Neurologia de Goiânia, segundo a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP). A transferência ocorre após decisão do ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) divulgada nesta quinta, 21. 

O médium deve ficar internado durante o período de quatro semanas, sob escolta policial, ou monitoramento por tornozeleira eletrônica. Em nota, o DGAP confirma o cumprimento da determinação, inclusive com a vigilância a João de Deus.

“Já foi dado início ao cumprimento da determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para internação do custodiado João Teixeira de Farias em unidade hospitalar externa ao Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, nos termos da decisão do Poder Judiciário. A DGAP informa ainda que, durante a internação, o custodiado estará sob vigilância ininterrupta de servidores penitenciários”, informou o departamento.

A decisão do ministro do STJ considerou o argumento da defesa do médium. Os advogados alegaram que João de Deus tem problemas de pressão arterial e um “aneurisma da aorta abdominal com dissecção e alto risco de ruptura”.

Na decisão, Nefi Cordeiro entendeu que todo preso tem direito à dignidade e à saúde. “Deverá o paciente, como decorrência, ser tratado pelo tempo mínimo indicado como necessário, em princípio de quatro semanas, salvo adiantada melhoria em seu estado de saúde que lhe permita o retorno ao normal tratamento na unidade prisional”.

João de Deus foi preso no dia 16 de dezembro do ano passado sob a acusação de violação sexual mediante fraude e de estupro de vulnerável, crimes que teriam sido praticados contra centenas de mulheres na instituição em que atendia pessoas em busca de tratamento espiritual, em Abadiânia, Goiás. As informações são da Agência Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.