Após enchentes, aulas começam mais tarde em escolas de SC

Escolas serviram de abrigo às vítimas das enchentes; alguns desabrigados ainda não tem para onde ir

Elvis Pereira, do estadao.com.br,

28 de janeiro de 2009 | 20h09

Os alunos de parte das escolas estaduais de Blumenau, Itajaí, Luiz Alves e Ilhota voltarão às aulas apenas no dia 25 de fevereiro. Nas demais cidades de Santa Catarina o início do ano letivo está programado para o dia 10. A Secretaria da Educação justificou que o maior prazo dado às quatro cidades é necessário para os diretores reorganizarem as escolas, algumas delas ainda ocupadas por desabrigados. A pasta ressaltou que essa data ainda pode ser modificada.   Veja também:  Defesa Civil alerta para chuva forte em SC até sexta   Todas as notícias sobre vítimas das chuvas      Os temporais danificaram 24 escolas da rede estadual em Blumenau, seis em Gaspar, três em Luiz Alves e duas em Pomerode e Ilhota, mas, segundo a secretaria, os problemas não impedem a realização das aulas. Atualmente, 13 escolas estaduais de Blumenau ainda servem de abrigo para 952 vítimas das chuvas. Luiz Alves tem duas escolas com 21 pessoas. Em Ilhota, 90 pessoas vivem na Escola Marcos Konder. Até a última semana de fevereiro, essas 16 escolas terão de ser desocupadas.   Desabrigados   Em Gaspar e Ilhota, o destino dos desabrigados está sendo estudado pelas prefeituras. Em Blumenau, serão erguidos galpões provisórios. Em Joinville, não há escolas sendo utilizadas como abrigos.   "Estamos correndo contra o tempo", definiu o secretário de Educação de Ilhota, Marcelo Jacob. A previsão é que as aulas do ensino fundamental sejam retomadas no dia 16. Até lá, será necessário desocupar três escolas nas quais há 350 desabrigados e que também são usadas como depósito de donativos. Segundo o secretário, o ano letivo começará com 3 escolas e 6 creches.   Para atender os alunos, Jacob afirmou que serão modificadas rotas de linhas de ônibus. No fim de 2007, uma creche foi totalmente destruída e outra parcialmente. A escola Pedro Teixeira de Mello está isolada e a estrada utilizada para acessá-la deve ser desobstruída daqui seis meses, estimou Jacob.   Em Blumenau, a volta dos alunos à rede precisou ser adiada do dia 9 para o dia 25, em razão dos danos decorrentes das chuvas. A cidade perdeu duas escolas básicas e um centro de educação infantil. Para a compra de terrenos e reconstrução das unidades o Ministério da Educação liberou R$ 10 milhões. Ao todo, as chuvas afetaram 28 das 67 creches e 16 das 50 escolas básicas da cidade. Enquanto a situação é normalizada, a pasta realocará os estudantes e poderá até alugar prédios. Terão de ser desativados 14 abrigos montados em escolas da rede.   "Sumiu completamente do mapa", explicou o diretor de Ensino de Gaspar, André Soltau sobre o que ocorreu com a Escola Angélica Costa, construída entre dois morros no bairro Serão Verde. No bairro Belchior, uma creche foi inundada e passará por reformas. As atividades começarão no dia 16 em 15 escolas de ensino fundamental e 12 creches. Hoje, duas escolas servem de abrigo e deverão ser esvaziadas. Em Joinville, o retorno dos alunos à rede municipal está agendado para o dia 9. Das 140 escolas e creches, 23 danificadas durante os temporais passam por reparos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.