Após lei seca, consumo diário de álcool despenca em SP

Em um ano, pesquisa aponta que índice passou de 28% para 8,8%, queda de 68,6%

Fernanda Aranda, O Estadao de S.Paulo

07 Fevereiro 2009 | 00h00

O hábito de ingerir bebidas alcoólicas diariamente caiu de 28% para 8,8%, mostra sondagem feita pelo Centro de Referência Estadual de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod). A redução de 68,6% foi atestada na comparação de dois questionários aplicados com intervalo de um ano em pessoas que circulavam aleatoriamente no centro de São Paulo. Para os autores do levantamento, a lei seca é apontada como responsável para a mudança de comportamento. "Fizemos a primeira abordagem em 2007 e uma outra em 2008", explica Luizemir Lago, diretora do Cratod. "O único evento que marca a passagem entre os anos e que pode explicar a queda dos índices é a lei de trânsito e toda a discussão e conscientização trazidas pela adoção da nova legislação."Em cada ano, foram 252 pessoas submetidas a um teste chamado Assist ( sigla em inglês para Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening). A enquete é usada internacionalmente para avaliar em tempo curto o perfil do usuário de substâncias chamadas de psicoativas, como cigarro, bebida, maconha ou cocaína. Apesar de a legislação que endureceu as penas para o motorista flagrado com álcool no sangue receber créditos para a redução dos bebedores diários, Elisaldo Carlini, diretor do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), ressalta que ainda é limitado o conhecimento sobre os impactos da lei. "Nós ainda não temos informações suficientes para mensurar o alcance da lei", argumenta. "Os dados são confusos. Variam de acordo com a região em que são levantados, uma hora indicam melhoras, em outra não", diz, para sustentar que o diagnóstico positivo ainda não é incontestável.Rosângela Elias, coordenadora da área de saúde mental da Secretaria Municipal de Saúde, reforça que o comportamento prudente de beber e não dirigir - que pode ser estendido para o não beber exageradamente - oscila. "E a oscilação está intimamente ligada à fiscalização. A vigilância constante muda hábitos definitivamente. Mas se existem brechas, as pessoas acabam permitindo exceções", acredita a especialista.É fato que para a lista de benefícios trazidos pela legislação de trânsito, que entrou em vigor em junho do ano passado, está a queda de 3,7% das mortes em acidentes de trânsito no Estado, como mostraram os dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública na semana passada. Em 2007, 4.844 perderam a vida nas colisões, 173 vítimas a mais do que as 4.671 registradas em 2008."A redução de acidentes é um fato que nos evidencia que a lei funciona, mas a mudança de hábito eu não avalio que tenha sido conquistada", diz o psiquiatra do Hospital Albert Einstein Sérgio Nicastri, especializado em álcool.A avaliação completa e a longo prazo da efetividade da lei seca é um dos objetivos do Instituto Nacional de Políticas Públicas, entidade criada em dezembro pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Com investimento de R$ 2,4 milhões, o coordenador, Ronaldo Laranjeira, pretende criar uma linha de pesquisa para assegurar o que, de fato, pode ser creditado como o objetivo da legislação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.