Após mais de 9 horas, homem liberta reféns e se entrega em MG

Ele deixou a ex-mulher e a família dela, além de sua própria filha, em cárcere doméstico em Cristiano Otoni

Eduardo Kattah, Fabiana Marchezi e Ítalo Reis, O Estado de S.Paulo e estadao.com.br

11 Agosto 2008 | 17h31

Após mais de nove horas, o homem que mantinha cinco pessoas da mesma família reféns na cidade de Cristiano Otoni, a aproximadamente 110 quilômetros de Belo Horizonte, liberou as vítimas ilesas e se entregou à polícia, por volta das 16h45 desta segunda-feira, 11. A Polícia Militar do município recebeu ajuda da polícia da cidade vizinha de Conselheiro Lafaiete e do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate).   Segundo a Polícia Militar, Vitor Cleiton Seixas de Almeida, de 26 anos, invadiu a casa da ex-esposa, identificada apenas por Jaqueline, no bairro Pinheiro, por volta das 7h30. Ele exigia levar a filha para São Paulo, onde reside, mas foi impedido pelos parentes da ex-mulher.   De porte de uma arma de fogo, Almeida decidiu render a família - a ex-mulher, ex-sogros e um ex-cunhado, além de sua própria filha. Ele trancou as portas e manteve todos sob a mira do revólver. Uma irmã de Jaqueline conseguiu fugir usando uma chave reserva e pediu socorro.   No meio da manhã, Almeida disparou um tiro dentro da residência, mas ninguém se feriu. Conforme uma das vítimas, a bala atingiu a parede da sala da casa. A água e a luz da residência foram cortadas. Almeida chegou a exigir a presença de um advogado e uma tia, mas os policiais recusaram. Um juiz e um promotor foram chamados para acompanhar as negociações e lhe dar garantia de vida.   A filha do casal e a ex-sogra foram liberadas primeiro. A ex-esposa foi a última a ser libertada. Logo depois, Almeida se entregou e foi levado para a Delegacia de Conselheiro Lafaiete. "Passamos o tempo todo com arma de fogo na cabeça. Toda hora ele ameaçava atirar", disse o ex-sogro de Almeida.   Almeida poderá ser indiciado por porte ilegal de armas e cárcere privado. Conforme a PM, ele mantinha uma relação conturbada com a ex-mulher e já responde a processo por lesão corporal contra ela.   Atualizado às 20h15

Mais conteúdo sobre:
refém Minas Gerais seqüestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.