Após massacre em escola do Rio, parte dos alunos volta às aulas

Apenas 140 alunos iriam para o colégio nesta tarde para atividades lúdicas; 21 pediram transferência

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

18 Abril 2011 | 13h19

RIO - Os alunos do turno da tarde da Escola Municipal Tasso da Silveira já chegaram para o primeiro dia de aula depois do massacre em que 12 alunos morreram assassinados pelo desempregado Wellington Menezes de Oliveira, no último dia 7, em Realengo, zona oeste do Rio.

 

Veja também:

link'É hora de legitimar a dor e seguir em frente'

linkBullying motivou massacre, diz atirador em vídeo

linkPais registram bullying em cartório para ações judiciais

linkColégios rastreiam em sites autores de ofensas

video Assista a todos os vídeos deixados pelo atirador

especialPasso a passo do atirador dentro da escola

 

De acordo com a secretária municipal de Educação, Cláudia Costin, a frequência nesse primeiro dia será apenas de 140 alunos da tarde, divididos em quatro turmas. Esses estudantes não presenciaram a chacina ocorrida durante o turno da manhã, cujos alunos só voltam às aulas amanhã. De acordo com a secretaria, 21 alunos pediram transferência e todas as reivindicações dos pais foram atendidas.

 

Os responsáveis requisitaram uma psicóloga em horário integral na escola, mais dois inspetores nos corredores e uma guarnição permanente da Guarda Municipal no portão do colégio. Os alunos se dedicarão, nas três primeiras semanas, a atividades de arte terapia monitoradas por psicólogos. A previsão é que apenas após este prazo as aulas reiniciem normalmente com o conteúdo curricular programado.

 

A Secretaria de Educação pediu que repórteres não abordem as crianças na entrada do colégio.

 

Frequência nesta segunda-feira será de apenas 140 alunos da tarde, divididos em quatro turmas.

Foto: Fábio Motta/AE

 

Aulas das turmas da manhã, que presenciaram o ataque, serão reiniciadas nesta terça-feira

Foto: Foto: Fábio Motta/AE

 

Alunos se reencontram no primeiro dia de aula após o massacre na escola de Realengo.

Foto: Fábio Motta/AE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.