Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Após nomeação como cardeal, Dom Orani visita igrejas e centros sociais

Religioso pediu orações pelas crianças mortas a tiros na Escola Municipal Tasso da Silveira, por onde passou, no Rio de Janeiro

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

13 Janeiro 2014 | 17h05

No dia seguinte à nomeação como cardeal, anunciada pelo papa Francisco, o arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, fez visitas a igrejas e centros sociais da zona oeste e à Escola Municipal Tasso da Silveira, onde, em abril de 2011, doze crianças foram mortas a tiros por um ex-aluno. "Vamos fazer uma oração pelas vítimas daquele momento trágico", afirmou Dom Orani, na paróquia Nossa Senhora da Conceição, primeira parada dos pontos percorridos na chamada Trezena de São Sebastião - em que a imagem do santo padroeiro do Rio percorre a cidade entre os dias 7 e 20 de janeiro.

Dom Orani contou não ter conversado ainda com o papa Francisco e comentou que, domingo à noite, sozinho, refletiu sobre a responsabilidade do novo cargo. Disse que tem tido notícias de maior participação de fiéis nas igrejas do Rio e acredita que isso seja consequência do discurso acolhedor do papa e da Jornada Mundial da Juventude, que aconteceu na cidade em julho passado. "Todos os países onde houve Jornada veem um aumento não só pela região, mas pela prática do bem", afirmou o novo cardeal.

Sobre possíveis mudanças na participação de famílias não tradicionais na igreja, o cardeal disse que esta já é uma prática católica, mas que o papa chamou atenção para a importância de acolher os fiéis. "O papa Francisco tem dado visibilidade ao que a igreja é, mas não aparecia tanto".

Lembrado sobre os batismos de crianças filhas de um casal não casado não Igreja Católica e de uma mãe solteira, feitos neste domingo pelo papa, Dom Orani comentou: "Ele reafirmou o que é a prática da Igreja, a criança não tem culpa. O batismo é sempre feito, salvo o caso de um outro (padre) mal informado".

Mais conteúdo sobre:
cardeal Dom Orani papa Francisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.