Corpo de Bombeiros/Divulgação
Corpo de Bombeiros/Divulgação

Após onda de violência, governo do RN pede apoio ao Exército

Ataques são em represália à instalação de bloqueadores de sinal de celular em presídios do Estado; empresas de ônibus suspenderam o serviço em toda a região metropolitana de Natal

Monica Bernardes, Especial para o Estado

31 Julho 2016 | 15h07

Dois dias depois do início de uma série de ataques criminosos contra o sistema transporte público de passageiros, veículos particulares, prédios públicos e pontos comerciais - em represália à instalação de bloqueadores de sinal de celular em presídios do Estado - o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Farias, solicitou, na tarde deste domingo, 31, o apoio de tropas do Exército Brasileiro para tentar restabelecer o controle da situação. 

"Estamos reagindo e não vamos ceder aos criminosos. Sabemos que o que está acontecendo são atos provocados pelo nosso trabalho contra essas quadrilhas que acham que mesmo atrás das grades podem continuar controlando seus bandos e a cidade. Mas eles estão errados e nós vamos provar isso", afirmou o governador, em entrevista a uma rádio local. 

Com medo de novos ataques contra os coletivos, todas as empresas de ônibus que atuam na região metropolitana de Natal suspenderam as atividades. A região já está há mais de 24 horas sem nenhum ônibus rodando para atender a população. A maior parte do comércio não funcionou, inclusive os shoppings.

Na noite do sábado, um grupo de homens armados e encapuzados fizeram uma barricada com pneus na entrada do acesso ao Aeroporto Aluízio Alves, na BR-406, no município de São Gonçalo do Amarante. Alguns carros que passavam pelo local foram apedrejados. A Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal foram acionadas e desbloquearam a via. Pelo menos duas pessoas ficaram feridas. Muitos passageiros acabaram perdendo os voos em função do atraso provocado pelo tumulto. 

"Eu estava numa van que havia sido contratada pelo hotel, na praia de Pipa, para nos levar até o aeroporto. No momento em que estávamos chegando ao acesso para o aeroporto percebemos a movimentação. Foi um susto grande. Uma das pedras atingiu o veículo e machucou o motorista. Mas graças a ação rápida da Polícia Rodoviária nada mais grave aconteceu", destacou a dentista mineira Isabela Dutra, 34, que tentava retornar de uma viagem de férias. "Perdi meu voo, mas pelo menos estou bem diante do que poderia ter acontecido", revelou, em entrevista por telefone ao Estado de São Paulo.

Desde a última sexta-feira, foram confirmados 47 ataques, em pelo menos 20 cidades do interior e da Região Metropolitana de Natal. Mais de 50 pessoas foram presas, até o momento, acusadas de participar dos atos de vandalismo. Pelo menos 13 são adolescentes. De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), também foram apreendidos 30 coquetéis molotovs em uma casa abandonada em Natal e três galões de combustíveis com os suspeitos. 

No município de Parnamirim, durante patrulhamento em uma área conhecida por "beco do engole", no Bairro de Monte castelo, três pessoas foram presas e identificadas como: João Paulo Tavares Nascimento, 20 anos, Rafael Marcelino de Brito, 22 anos, e André de Assis Barroso, 20 anos. Com eles, a Polícia apreendeu dois galões contendo nove litros de combustíveis, faca, duas balanças de precisão, um revólver calibre 38 com sete munições, celulares e ainda duas placas de colete balístico, além de entorpecentes.

A instalação de bloqueadores de celular na Penitenciária Estadual de Parnamirim, na Grande Natal, é apontada pelo governo como motivo dos atentados.

Bomba em supermercado. Um homem ficou ferido, final da tarde de ontem, após a explosão em um carro estacionado dentro do supermercado Nordestão, localizado na Zona Norte de Natal. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, policiais militares que atenderam a ocorrência encontram um artefato, não detonado, no interior do veículo. Logo após a explosão, muitos clientes e funcionários passaram mal. O supermercado foi fechado. 

"O caso mais grave, além do senhor que estava passando próximo ao veículo e ficou bastante ferido com os estilhaços, foi de uma funcionária do estabelecimento. Ela está no final da gravidez e aparentemente teve um pico de hipertensão. Ela foi atendida no local por médicos do Samu e foi levada para uma unidade de saúde", revelou o tenente Gilberto Silva, da PM. Já o homem atingido pelos estilhaços, cuja identidade não foi revelada, foi internado no Hospital Santa Catarina, com ferimentos por todo o corpo. Seu estado, segundo os médicos, é estável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.