Rodolfo Buhrer/Foto Arena
Rodolfo Buhrer/Foto Arena

Após proibir pesquisas, Beto Richa vence no 1º turno

Após ver a candidatura do senador pedetista Osmar Dias ganhar força nas últimas semanas e conseguir a proibição de pesquisas nos dias que antecederam ao pleito, o tucano Beto Richa, ex-prefeito de Curitiba, tornou-se governador do Paraná, vencendo a eleição no primeiro turno, com 52,44% dos votos válidos. Dias ficou em segundo lugar, com 45,63%.

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2010 | 00h00

Essa foi a segunda derrota consecutiva de Osmar Dias na corrida para o governo do Paraná: em 2006, com o apoio de Beto Richa, perdeu para Roberto Requião por uma diferença de 0,01%. Desta vez, porém, o pedetista teve o apoio do ex-governador e também do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Uma das armas para o crescimento da candidatura do senador do PDT na reta final do pleito foi o apoio do presidente Lula, que veio três vezes ao Estado ao longo da campanha. Entretanto, a transferência de popularidade do presidente para Dias esbarrou na aprovação de Richa como prefeito, na casa de 80%.

Negociação. Apesar da derrota de Dias, as duas vagas para o Senado ficaram nas mãos de aliados do presidente Lula: a petista Gleisi Hoffmann e o ex-governador Roberto Requião, do PMDB. Richa afirma que não vê problemas na divisão de poder promovida pelos eleitores: "Sempre tive relações republicanas respeitosas. Passam as eleições, eu desço do palanque".

O tucano governou a capital de 2004 até março de 2010, quando deixou o cargo para concorrer a governador. Richa buscou usar um discurso positivo na campanha, enfocando os bons projetos que desenvolveu como prefeito. As críticas ao modelo petista de governar - e principalmente a Lula - foram feitas de forma discreta.

Em posição confortável, o tucano repetiu durante a campanha não temer a influência da popularidade de Lula em favor da candidatura de Osmar Dias. "Temos todo o respeito pelo presidente, ele está com grande popularidade, mas acredito que isso não terá reflexo", disse Richa no início de setembro. "Eu não preciso de bengala. Meu adversário está o tempo todo falando da Dilma", frisou, referindo-se à candidata do PT à Presidência.

Beto Richa, 45 anos, é filho do ex-governador José Richa, falecido em 2003. Começou a carreira política como deputado estadual. Foi vice-prefeito de Cassio Taniguchi entre 2000 e 2004, ano em foi eleito prefeito de Curitiba. Há dois anos, foi reeleito. Em relação às suas aspirações como governador, Richa afirmou que pretende fazer "o governo mais competente do País".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.