Após protestos, Teresina suspende aumento da passagem de ônibus

Medida é válida por 30 dias, até a conclusão de uma auditoria convocada pela prefeitura

Agência Brasil,

02 Setembro 2011 | 15h57

BRASÍLIA - Depois de cinco dias de protestos violentos em Teresina, capital do Piauí, por causa do aumento das passagens de ônibus de R$ 1,90 para R$ 2,10, o prefeito da cidade, Elmano Férrer, anunciou nesta sexta-feira, 2, a suspensão do decreto que determinava o reajuste das tarifas. A medida é válida por 30 dias, até a conclusão de uma auditoria convocada pela prefeitura.

Férrer tomou a decisão depois de se reunir com os secretários municipais durante toda a manhã de hoje. Desde a última segunda-feira, protestos ocorrem diariamente na capital piauiense. Os manifestantes reclamam do reajuste e dizem que o aumento não corresponde à realidade econômica da cidade.

De acordo com a prefeitura, dois ônibus foram destruídos pelos manifestantes. Os veículos foram queimados e apedrejados durante os protestos. De acordo com os empresários do setor, também há veículos que foram parcialmente danificados. O levantamento dos prejuízos ainda não foi concluído.

Nesta quinta-feira, os empresários do setor de transporte público de Teresina retiraram os ônibus de circulação com receio de reações dos manifestantes. Cerca de 200 mil pessoas dependem dos ônibus no dia a dia na capital piauiense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.