Sejuc/Divulação
Sejuc/Divulação

Rebelião em Natal é controlada; presos ameaçam retaliação fora de cadeias

Segundo a administração do Presídio Provisório Professor Raimundo Nonato, não há registro de mortos; motim foi represália ao massacre em Alcaçuz

Rafael Barbosa, Especial para o Estado

16 Janeiro 2017 | 08h41
Atualizado 16 Janeiro 2017 | 11h02

NATAL - A rebelião no Presídio Provisório Professor Raimundo Nonato Fernandes, em Natal, foi controlada pelos agentes carcerários do Grupo de Operações Especiais (GOE). De acordo com a administração da unidade, não há registro de mortos e ainda está sendo feito o levantamento de danos causados à estrutura do prédio.

O motim teve início na madrugada desta segunda-feira, 16, e durou aproximadamente três horas. Segundo o diretor do estabelecimento, Alexandro Coutinho, cinco agentes carcerários faziam guarda no presídio no momento da rebelião.

O Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte (Sispern) informou que a unidade abriga hoje 496 apenados.

Os detentos ameaçavam invadir o Pavilhão 2, onde estão encarcerados os presos de melhor comportamento e que ajudam nos serviços gerais do presídio. Eles não são aceitos nos demais pavilhões e constantemente são constrangidos pelos demais presidiários.

Coutinho confirmou que os detentos informaram à direção que o motim foi uma represália ao massacre registrado no sábado, 14, na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, na região metropolitana de Natal . Na ocasião, 26 presos ligados à facção Sindicato do Crime do RN (SDC) foram assassinados por membros do Primeiro Comando da Capital (PCC).

O Sindicato dos Agentes Penitenciários afirmou que os presos disseram que a resposta ao PCC não ficará somente dentro das unidades carcerárias.

O massacre em Alcaçuz ocorreu durante uma rebelião que durou aproximadamente 14 horas. O motim teve início no final da tarde do sábado, e as forças de segurança do Estado só conseguiram adentrar na penitenciária e acabar com a confusão já na manhã do domingo, 15.  Entre os mortos, havia presos carbonizados e também decapitados.

Mais conteúdo sobre:
NATALNísia Floresta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.