Após semanas de calor, fim de semana será frio em SP

Após uma semana em que a cidade de São Paulo bateu o recorde calor para um dia de inverno, o tempo começa a mudar. Desde quinta-feira, 17, as temperaturas estão menos altas e a umidade do ar melhorou. O clima, porém, está abafado, porque as frentes frias que chegam ao Estado ainda são fracas. Nesta sexta-feira, 18, e no sábado, 19, a temperatura máxima fica em torno dos 23 graus, com pequenas aberturas de sol e possibilidade de chuvas fracas no fim do dia, de acordo com a empresa Climatempo. Mas, na madrugada de domingo, 20, o tempo vira de vez. "O ar polar, vindo do Sul do País, vai chegar com força em São Paulo no domingo, fazendo com que o clima fique mais definido, com o predomínio do frio", de acordo com o meteorologista André Madeira. Os termômetros, no domingo, não devem passar dos 22 graus. Para segunda e terça-feira, a previsão é de mais frio, com as temperaturas máximas alcançando os 18 graus, na segunda, e 15, na terça. A umidade do ar, que já está melhor na capital desde quinta - passou de 26% para 73% -, ficará ainda mais alta, com a possibilidade de chuvas de fraca a média intensidade a qualquer hora do dia a partir de domingo. A chuva ajuda a reduzir os altos índices de poluição, comuns no inverno. O tempo mudará em todo o Estado de São Paulo, de acordo com Madeira, até mesmo nas zonas mais secas ao norte, que inclui a região de Ribeirão Preto, onde as queimas da palha de cana-de-açúcar estão proibidas desde o início de agosto devido à baixa umidade do ar que chegou a 16%, um nível crítico, nesta quinta.Queimas de canaA melhoria nas condições climáticas nas regiões sudoeste, sul e leste do Estado de São Paulo levaram a Secretaria do Meio Ambiente a liberar a queima de cana-de-açúcar em cidades no entorno de Araçatuba, Campinas e Sorocaba. Já nas regiões de Ribeirão Preto e Barretos a prática segue proibida em decorrência da baixa umidade relativa do ar, que na quinta chegou a 14%, e das altas temperaturas, com máxima de 37 graus. Nas regiões de Marília, São José do Rio Preto e Araraquara a queima pode ser feita apenas entre 20 horas e 6 horas.(Colaborou Gustavo Porto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.