Após três dias, termina rebelião no presídio em Rondônia

Após três dias, terminou a rebelião no presídio no Urso Panda, em Rondônia, no início da tarde desta quarta-feira, 11. Ao contrário do que os detentos haviam divulgado, ninguém foi morto no motim, que começou no domingo, 8. O dedo humano atirado por cima do muro do presídio era do condenado Raimundo Moreira Matos, conhecido como Índio. Ele foi levado ao Pronto-Socorro João Paulo II em estado grave e foi medicadoAinda pela manhã os presos liberaram 37 visitantes que eram mantidos como reféns. Outros nove haviam sido liberados na terça-feira, 10. Em seguida, os detentos também entregaram a policiais militares o detento que teve o dedo amputado. Umaambulância já o aguardava.A Secretaria de Estado de Assuntos Penitenciários (Seapen) não cedeu às pressões dos condenados, que exigiam a demissão da diretoria do presídio e a volta de presos perigosos que haviam sido transferidos para o Presídio Regional de Rolim de Moura, a 470 quilômetros de Porto Velho.Os presos rebelados acompanharam a repercussão do movimento através de telefones celulares. Dessa forma, sabiam que a Seapen já havia anunciado que as exigências não seriam atendidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.