Após um ano de Cidade Limpa, R$ 43,5 milhões em multas

Prefeitura multou 1.312 anúncios irregulares, mas, por causa de recursos, arrecada menos

Alexssander Soares, O Estadao de S.Paulo

27 Setembro 2007 | 00h00

Um ano depois de a Lei Cidade Limpa ser aprovada pela Câmara Municipal, a Prefeitura multou 1.312 outdoors ou anúncios indicativos instalados de modo irregular em São Paulo. O valor total de multas aplicadas chega a R$ 43.564.276,85, de acordo com a Secretaria de Coordenação de Subprefeituras, órgão da Prefeitura responsável pela fiscalização. A Lei Cidade Limpa, que entrou em vigor em 1º de janeiro, proibiu todo tipo de publicidade externa (outdoors, luminosos, painéis e placas). Desde março, a Prefeitura já retirou 117 outdoors irregulares. Os anúncios indicativos, nas fachadas das lojas, precisaram ser remodelados ganhando tamanhos bem menores dos que os antes usados pelos comerciantes. A lei determinou multa de R$ 10 mil por propaganda ilegal, aplicada aos anunciantes, aos proprietários dos terrenos onde foram postos os anúncios e às empresas responsáveis pela instalação das placas. As multas aplicadas não significam necessariamente que o valor foi arrecadado para os cofres públicos. O comerciante ou o responsável pelo outdoor pode apresentar recurso a quatro esferas administrativas - de um cargo de terceiro escalão das subprefeituras até chegar ao prefeito. A Secretaria de Negócios Jurídicos não informou ontem quanto já foi efetivamente arrecadado dos R$ 43,5 milhões aplicados em multas por desrespeito à Lei Cidade Limpa. As empresas de mídia exterior conseguiram uma liminar judicial para manter a publicidade externa até 31 de março deste ano. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) também estendeu o prazo de adaptação à lei para os comerciantes, só multando os chamados anúncios indicativos irregulares a partir de abril. Desde fevereiro, a Prefeitura soma 39.915 pedidos de registro de anúncios indicativos, de acordo com as novas regras da lei. A gestão Kassab aceitou 17.816 de Cadastramento de Anúncios (Cadan). ''''Os comerciantes ainda estão se adaptando à lei, mas a maioria já retirou o anúncio antigo que seria irregular. A categoria entendeu que a lei tem aspectos positivos, pois organiza e padroniza a publicidade nas fachadas, além de melhorar a paisagem da cidade'''', disse a assessora econômica da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), Kelly Carvalho. A federação reúne 85.885 comerciantes registrados na capital. A gestão Kassab também enfrenta uma batalha jurídica em defesa da lei. Desde que foi aprovada pela Câmara há um ano, 97 mandados de segurança e 114 ações ordinárias foram apresentadas contra a lei. Atualmente, há em vigor 34 liminares, garantindo cerca de 300 outdoors instalados na cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.